Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

OuremReal

OuremReal

29.09.16

Máquinas da roupa


ouremreal

Nas notícias de hoje, leio que nos Estados Unidos da América têm ocorrido casos de explosões em máquinas de lavar roupa. Trata-se de uma marca conhecida, coreana e o modelo será daqueles cujo carregamento é feito pela parte de cima.

Bem, esta parte da marca e modelo não interessam para nada, mas a notícia fez-me recordar como, nos anos 50, do século passado, que é uma época que bem recordo, na aldeia onde vivia, era feita a lavagem da roupa e como, nos dias de hoje, essa lavagem pode ser feita.

Naqueles anos as “máquinas” chamavam-se braços e mãos e a lavagem era feita, principalmente, nos tanques das propriedades agrícolas, para quem os tinha, porque quem nem tanque tinha, ia até ao ribeiro mais próximo, quando levava água suficiente, ou ia um pouco mais longe, até ao rio e, aí, tinha (quase) sempre uma “pedra” disponível. Entenda-se que esta “pedra” era uma laje, de dimensão adequada e bem polida, tanto era o uso que lhe davam. E, a propósito, aqueles tanques pequenos de ter em casa vieram mais tarde, porque tiveram que esperar, na maioria dos casos, pela chegada da água canalizada. E essa demorou muitos e bons anos a chegar…!

O passar do tempo e o progresso encarregaram-se de mudar todo o cenário. E ainda bem! Hoje a máquina de lavar roupa é um eletrodoméstico de uso generalizado e ninguém pensa mais no tanque e, muito menos, no rio. Duvido até que a água do rio, atualmente, deixasse a roupa limpa…! Bem, mas essa é outra questão!

Isto tudo para dizer que, nos dias de hoje, aqui nesta terra onde vivo, cidade de Ourém, como lhe chamam, quem tiver a máquina avariada, ou quiser sair de casa a qualquer pretexto, aproveitando para tomar café, ver um filme na TV, ou outra coisa qualquer que lhe agrade e dispor de Internet gratuita pode ir…sabem aonde?...à lavandaria! Além de trazerem a roupa lavada, tomam café, que é disponibilizado, gratuitamente, por uma máquina, vêem televisão (e não são só os 4 canais da tdt) e navegam na internet sem limites. O preço…? Bem, o preço é o que, normalmente, se tem de pagar pelo uso destas máquinas de lavar! Nada mais que isso!

Que fique claro que não tenho a mínima intenção de fazer publicidade à casa, não refiro nome nem morada, não sei a quem pertence, apenas sei que está de portas abertas e é self-service.

Pretendi, apenas, comparar o que, de facto, não tem comparação nenhuma!

E mais um pormenor: Os 5,5 euros da máquina mais barata, traduzidos em escudos – 1100 escudos - (eu sei que não se pode fazer este “câmbio”) dariam, em 1950, um excelente ordenado mensal…! O progresso paga-se…! Naturalmente…!

 

O.C.