Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

OuremReal

OuremReal

13.09.12

"super low cost"


ouremreal

Leio aqui na "concorrência" um comentário com o título "propaganda super low cost", um escrito que vem na linha do "política à fariseu", e outros do género, que muito aprecio, uns e outros, principalmente, porque nos tempos que correm é bom termos alguma coisa que nos divirta e, além disso, é de louvar o esforço que algumas pessoas fazem para branquear (fazer esquecer) o que não dá para esquecer.

Existe, claramente, uma campanha contra "o pessoal eleito pelo PS para a Câmara Municipal", como alguém gosta muito de referir, (não sei se para o distinguir do outro pessoal do PS que não foi eleito para a Câmara Municipal, ou mesmo do que não foi eleito para lado nenhum). Mas nota-se que a campanha visa, especificamente, o presidente.

Compreendo que, por razões ideológico-partidárias,mais partidárias do que ideológicas, o PS seja muito incomodativo, para muita gente. E que o alvo a "abater", passe a expressão, seja o atual presidente da Câmara, provável candidato do PS às eleições autárquicas de 2013. O que, a confirmar-se, constituirá um dos grandes obstáculos às pretensões do PSD, para regressar ao poder onde esteve mais de 20 anos. E digo "um dos obstáculos", porque outro grande obstáculo chama-se, apenas, PSD, ele próprio. Mas isso é assunto para outra conversa! Se valer a pena!

Mas regressemos ao que me trouxe aqui: o tal "low cost".

Normalmente a expressão é usada com intenção depreciativa, sinónima de má qualidade; quando a tradução à letra quererá dizer, mais ou menos, baixo custo. Não sei qual a intenção do autor do escrito: se considerou a dita "propaganda" de má qualidade, se a considerou de baixo custo, ou se a considerou má e barata. Provavelmente foi isso mesmo!Má e barata!

Quanto ao ser boa ou má, quase sempre é uma coisa para quem a aprova, a aplaude, a acha acertada e o contrário para quem entende, ou quer entender, que assim não é! Tanto quanto sei, a "propaganda" visou, essencialmente, fazer o enunciado do que foi feito! Confrontar com os objetivos que tinham sido traçados; o que foi feito, o que ficou por fazer, e os porquês dos desencontros. Não é só uma necessidade! Acho que é um dever! Para com todos os munícipes, em geral, e para quem votou nesta maioria, em particular! E devia ser feito no final de cada ano! Com muita clareza, para que ninguém ficasse com dúvidas! Daí que, chamemos-lhe "propaganda" ou outra coisa qualquer, aprovo o procedimento no sentido em que é, ou deve ser, uma prestação de contas. Correndo o risco de uns a acharem de má qualidade, portanto, "low cost", quanto ao conteúdo. Aliás, tanto quanto me apercebo, o autor do escrito a que faço referência não critica casos concretos da gestão a que a tal "propaganda" se refere, pelo que deduzo que não foi esse o objetivo do mesmo.

No que respeita à substância, ao valor material, não haverá muito para comentar. É mesmo "super low cost", uma forma muito british de dizer "pelintra". Certamente que era mais atrativo, como no tempo do PSD, aquela revista toda colorida, com boa apresentação, quase familiar, distribuída por tudo quanto era sítio e quem não se contentava com uma levava duas ou três. Era até fartar! E quanto custava!!! Eu não sei responder! Mas barata, não era, de certeza! E também nunca foi objeto duma crítica destas!

Atendendo ao contexto, não vejo por que motivo se poderá criticar a publicação, tal como foi feita!

E, quanto ao "low cost", tenho dito!

Quanto aos "ataques" ao pessoal do PS na Câmara, e ao presidente: não sou advogado de defesa nem duns, nem doutro; se estivesse no lugar deles faria algumas coisas de maneira diferente do que eles fazem; provavelmente, pior, mas diferente! Até ao momento, não tenho conhecimento de atos de gestão que me levem a por em causa a sua honestidade; daí a surpresa pela agressividade de alguns dos "ataques"; não conheço atos de gestão grave lesivos do património, nem do orçamento municipal, nem do bom nome da nossa terra; nunca vi, no passado recente, tal agressividade perante os executivos municipais que se têm sucedido! E, talvez, tenha havido motivos bastantes!

Daí este meu desabafo!

A crítica, desde que justa, nunca fez mal a ninguém! Portanto, se assim for, siga!

 

O.C.