Segunda-feira, 23 de Abril de 2012
Trânsito automóvel na cidade de Fátima

Acabo de ler o documento que regula a circulação automóvel no interior da cidade de Fátima e que começa assim:

 

“Considerando:

 

A especificidade da Cidade de Fátima e em particular a necessidade de, em períodos de maior peregrinação, se poder vir a garantir quer à população residente o acesso às suas habitações, quer aos diferentes Operadores Económicos o seu necessário e contínuo funcionamento, apesar dos condicionalismos vários que, nessas circunstâncias, são geralmente impostos, sobretudo ao nível da circulação automóvel e no perímetro compreendido, na Cova da Iria, entre as Avenidas Beato Nuno e João XXIII “.

 

O normativo, intitulado “NORMAS GERAIS DE ATRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DO DÍSTICO DE AUTORIZAÇÃO CONDICIONADA DE CIRCULAÇÃO EM FÁTIMA NOS PERÍODOS DE MAIOR PEREGRINAÇÃO”, que poderá ser consultado no sítio da C.M.de Ourém, desenvolve-se ao longo de 14 artigos, divididos por 5 capítulos e tem como objetivo regular a autorização de circulação automóvel dentro do perímetro definido pelas avenidas Beato Nuno e João XXIII, entre as rotundas norte e sul, naquela cidade, em dias de maior movimento, afluência de peregrinos ou durante a realização de obras que impliquem condicionamentos do trânsito como, por exemplo, atualmente se verifica.

Três questões em jeito de comentário:

 

1 – Dois euros por cada dístico será um preço razoável, mesmo tendo em conta o destino da verba apurada?

Talvez sim para quem é morador e faz um uso intensivo, chamemos-lhe assim, da autorização. Talvez seja um exagero para quem vai fazer, por exemplo, uma vez, a entrega de determinada mercadoria, ou tratar de um assunto urgente e imprevisto.

 

2 – O local de aquisição do dístico é adequado?

Considerando que a aquisição é feita na sede da ACISO, na travessa 10 de Junho, em Ourém, parece que não dará muito jeito aos habitantes de Fátima terem de se deslocar a 12 Kms de distância para comprar um autocolante por 2 euros para poderem levar o automóvel para casa. Parece razoável que o assunto possa ser resolvido em Fátima. E não será difícil se houver vontade.

Então e os que não são de Fátima e tiverem mesmo de entrar na zona de restrição, por qualquer razão imprevista, ou necessária e urgente? Terão mesmo que descer ao vale, percorrer os tais 12 mais 12 kms para pagar os 2 euros para poderem ostentar o tal autocolante? Isto não parece razoável!

 

3 – A área de restrição não será exagerada?

Parece-nos, claramente, que sim!

Vejamos o seguinte: considerando que o recinto do santuário está, mais ou menos, no centro da área das restrições de trânsito, e que está orientado no sentido este-oeste, se medirmos a distância, em linha reta, entre a av. João XXIII e a av. Beato Nuno, a passar pelo santuário e naquela orientação, teremos, sensivelmente, 1250 metros; se medirmos, também em linha reta, a distância entre as rotundas norte e sul, teremos, aproximadamente, 1900 metros. Isto dá uma área enorme!

Mas mais importante, ainda, que a área é a funcionalidade de tudo isto, a implicação que tem na vida das pessoas que ali vivem ou que ali têm que se deslocar com as suas viaturas.

Como não acreditamos que a extensão da área tenha alguma coisa a ver com a verba a arrecadar com a venda dos autocolantes, parece-nos que não há necessidade deste exagero!

Balizar a zona de restrição a norte e sul com as duas respetivas rotundas, parece razoável dada a presente situação das obras em curso na av. D. José Alves Correia da Silva; A poente, com a João XXIII, com toda aquela zona dos parques de estacionamento, aceita-se; A nascente, em toda a extensão da Beato Nuno, é um exagero.

Com a conclusão das obras na av. Correia da Silva, tudo deverá ser revisto, porque não há razão para tamanha área!

Salvo melhor opinião, claro!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 23:26
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Toupeiras

O crime não compensa!

30 kms / hora

IVA dos partidos político...

Somos os maiores!?

Santana - o exemplar

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

arquivos

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds