Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OuremReal

OuremReal

02.02.12

Deixem-nos trabalhar!?


ouremreal

O Secretário de Estado dos Transportes disse, no Parlamento “ Deixem-nos trabalhar! Deixem-nos executar o nosso plano!” e advertiu que cada dia de greve nos transportes custa 150 M€ ao país e que, os que agora apoiam esta forma de luta dos trabalhadores não venham, depois, dizer que o governo falhou nos seus objetivos para resolver a crise.

Pois é! De facto 150 M€ é muito dinheiro!

Para mais com a penúria que por aí vai!

Só que, com a total incapacidade que o governo evidencia para fazer o que quer que seja sem ser à custa do agravamento das condições de vida do contribuinte, a questão que se põe é mesmo a de saber se se deve deixar que o governo execute o plano (?), que se deixe trabalhar(?), ou o contrário: que se usem todas as formas possíveis para que não execute o tal plano, para que não trabalhe, no pressuposto de que o trabalho que está a fazer, para além de não resolver o essencial, nos vai deixar a todos (ou quase) ainda pior do que estávamos.

Naturalmente que se lamenta que:

- Se percam 150 M€ por dia!

- Tantos utentes dos transportes tenham as suas vidas transtornadas por causa da greve!

- Se tenha de usar a greve para “dialogar” com o governo!

E é uma pena que o sr. s.e.t., mais os outros s.e.’s todos, mais os srs ministros, mais todos quantos andam por aí a passear à custa do pagode, não tenham sido obrigados a andar a pé em dia de greve! Talvez não fossem trabalhar…o que poderia trazer a vantagem de ser um dia sem pesadelos para todos nós, que temos de os aturar!

Já agora, uma pergunta:

Quando é que os srs ministros, e os srs secretários disto e daquilo, e todos quantos andam por aí a passear à custa do pagode, resolvem acabar com as frotas de automóveis de que se servem e passam a andar à sua custa como as pessoas comuns?

Afinal, estamos em crise, todos, ou só alguns?

 

O.C.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.