Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

OuremReal

OuremReal

08.11.11

E vão 4!


ouremreal

E vão 4!

Depois da Irlanda, Grécia e Portugal chegou a vez da Itália. Os mercados, não sei bem o que isto é, mas o capital, o capitalismo, no seu pior, continua a fazer valer a brutalidade de toda a sua força. A terceira maior potência da zona euro, a Itália, está sob fogo intenso e Berlusconi não aguentou e vai, ao que se diz, apresentar a demissão da chefia do governo italiano. Este facto não seria grave, antes pelo contrário, não fora a causa externa, porque a causa interna não parece difícil de identificar e passa, sobretudo, pela má governação. Mas a causa externa é preocupante: este capitalismo sem escrúpulos comporta-se como uma onda devastadora que arrasa tudo na sua passagem. E o que se vai tornando confrangedor é não se vislumbrarem sinais de que algo ou alguém possa parar essa avalanche.

Tudo isto suscita duas grandes questões:

Primeira - O poder político claudicou perante o poder económico? Ou haverá um poder político (qual?) que está por detrás deste poder económico, usando-o, para pôr à prova, ou aniquilar, a capacidade da Europa para ser a União que se propunha ser?

Segunda - Quem será o próximo? A França? a Espanha? Ou vai parar por aqui?

Será que caminhamos para uma Europa a duas divisões, tipo futebol? Os que se aguentam financeiramente são da 1ª, os outros são da 2ª, podendo descer ou subir de divisão consoante os resultados orçamentais no final de cada ano?

O mais provável seria termos de nos defrontar com uma grande discussão sobre quem iria fazer os regulamentos desta solução para uma Europa em dois escalões e, talvez no próximo século, chegássemos a uma redação final dos mesmos para, simultaneamente, se concluir que estavam desatualizados.

E tudo voltaria ao princípio.

Uma coisa é certa: a água continua a bater nas rochas e o mexilhão continua a "lixar-se".

Enquanto o dito mexilhão não se convencer (e proceder em conformidade) que, das três uma: ou muda a direção das ondas, ou vira as rochas ao contrário, ou muda de vida e agarra-se o outra coisa. Continuar assim é que não dá!

 

O.C.