Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OuremReal

OuremReal

19.04.11

FMI


ouremreal

Frente do Manifesto Inútil ou, simplesmente, FMI é como se nos afigura esse movimento de umas tantas personalidades da vida nacional, mais de uma centena, ao que se diz, envolvendo pensadores, comentadores, opinadores, conselheiros, ex-isto, ex-aquilo, gente de quem se fala, e que fala, e que diz coisas, por tudo, por nada, por muito, por pouco, importante ou sem importância, aqui, ali e acolá, que assinaram um manifesto.

Manifesto esse que diz ser um compromisso nacional e onde se apela ao entendimento entre partidos políticos e instituições para que Portugal consiga alcançar a indispensável credibilidade externa e o mais do que necessário entendimento interno.

Apela ao compromisso entre o Presidente da República, o Governo e os partidos políticos, antes das próximas eleições de 5 de Junho, de modo a que, depois daquela data, se consiga um governo com a maior margem de apoio possível, já que se adivinha a tempestade que aí vem.

Que pensar deste manifesto?

1 – A intenção parece boa.

2 – A diversidade de pessoas que o assinam, as diferentes maneiras de pensar e agir, só podem encontrar algum consenso neste manifesto, porque não têm que fazer nada mais do que assiná-lo. O que é muito diferente de terem de o pôr em prática.

3 – Este manifesto poderia ter tido muito mais utilidade antes de termos caído na situação ridícula em que nos encontramos, se os seus subscritores tivessem sido capazes de convencer os atores políticos deste país a ser responsáveis e sensatos.

4 – Não se vê em que parte da cena entra o pessoal anónimo que vai pagar a festa. Ou seja, onde entram os não notáveis, os que não são políticos, os que não acreditam nem nos políticos nem nas instituições, os que não percebem nada ou muito pouco desta engrenagem em que foram metidos e não entendem por que têm de pagar os erros alheios?

Não entra, pura e simplesmente!

Ou melhor, vai entrar quando for para pagar a conta.

5 – Como acho que as boas intenções, se não forem seguidas das correspondentes boas ações, de nada servem. E como não acredito que estas aconteçam no atual contexto político, acho que não vai haver o amplo compromisso nacional, nem a tal estabilidade de que se necessita.

6 – E porque estou convicto que o descontentamento vai ser mais do que muito e não vai faltar quem o aproveite, incentive e capitalize, só posso concluir que este FMI de que falo não é mais do que isso – Frente do Manifesto Inútil.

Fica a boa intenção!

 

O.C.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.