Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OuremReal

OuremReal

21.11.10

"Paz sim", "N.A.T.O. talvez"!


ouremreal

Ontem cruzei com alguns apoiantes do “Paz sim, N.A.T.O. não” que, cartaz debaixo do braço, iam uns, vinham outros, certamente para dar força à contestação contra a cimeira que parou e incomodou meia Lisboa durante dois dias.

Aquele vaivém deixou-me a ideia de que havia alguma escala de serviço, chamemos-lhe isso, de modo a que houvesse renovação dos intervenientes e a manutenção, em contínuo, de uma atitude hostil que se pretendia activa e bem visível, debaixo do olhar atento do helicóptero que pairou, todo o tempo, sobre a Av. da Liberdade, ora indo até ao Marquês, ora descendo até aos Restauradores.

Não sei se os ditos portadores estavam conscientemente solidários com os dizeres dos cartazes, se estavam convictos do que é a N.A.T.O. e para que serve, ou se estavam em cena só porque sim.

Não sei, nem é importante que saiba. Para o caso, cada um saberá de si! Ou assim devia ser! Pelo que me toca e porque a proximidade de ontem com uma Lisboa diferente me pôs a refletir sobre o assunto, (para além do que é normal), aqui fica uma opinião que valerá tanto como qualquer outra, ou que não terá mesmo importância nenhuma:

- A primeira ideia que fica é que não havia necessidade de tanto aparato, tanto incómodo para os lisboetas, tanta ostentação, para, afinal, fazer o que já estava feito; tantos chefes de estado e de governo, mais secretários de estado, mais presidentes disto e daquilo, mais comitivas a perder de vista, quando uma “dúzia” de pessoas, devidamente mandatadas, teriam feito outro tanto.

- A segunda é que o eventual prestígio para Portugal, com todas estas ilustres personalidades, com todo o sucesso que esta organização possa ter tido, com os rasgados elogios que se ouviram, não resolve os nossos problemas mais urgentes, antes se corre o risco de que os ajudem a agravar. Porque as festas têm custos…

- Em terceiro lugar e não sendo incondicional apoiante do “Paz sim, N.A.T.O. não”, considero-me mais do “Paz sim, N.A.T.O. talvez”.

E porquê?

- Pela simples razão de que de nada adianta sermos “pacifistas” se outros puderem não o ser. E ninguém é ingénuo ao ponto de pensar que o nosso pacifismo será capaz de “comover” os que só têm como arma a violência. E estes existem, independentemente das causas que os levem a agir assim!

- E porque serei pelo “sim” enquanto a N.A.T.O. for uma organização de defesa dos países que a integram, no justo equilíbrio dos seus interesses e no respeito pelos interesses dos outros;

- Serei pelo “sim” ainda que a sua existência seja útil, apenas, como força dissuasora;

- E porque serei pelo “não”, enquanto a organização resvalar para a tutela dos mais poderosos e proceder de acordo com os interesses desses, comprometendo equilíbrios locais, regionais ou mundiais;

- Serei pelo “não” se se passar à teoria futebolística de que a melhor defesa é o ataque, sem que isso seja devidamente comprovado e aceite, depois de devidamente avaliados os riscos de tal procedimento; a todos os níveis!

Ainda hoje não sei se Bin Laden existe ou não; se está no Afeganistão ou em Marte; se valeu a pena ter destruído o Iraque, nem para que serviram as mortes todas que vêm acontecendo por todo o lado.

Também sei que democracia e guerra são “coisas” mais ou menos incompatíveis…

 

 

O.C.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.