Terça-feira, 28 de Julho de 2009
Para o Agroal, já!

O Agroal que me habituei a conhecer foi sempre um lugar abandonado, desprezado, mal tratado.

O Agroal que vi há pouco tempo ia a caminho de ser um lugar arrumado, cuidado e agradável de frequentar, principalmente em dias que não coincidam com fins de semana.

Na curta visita deu para perceber que havia construções antigas, aparentemente em mau estado, a destoar do conjunto.

Não deu para perceber como estava, em termos de infraestruturas de apoio aos eventuais frequentadores; muito menos que faltava a mais que básica instalação sanitária.

Estou a fazer fé no que li, porque, de facto, não fui confirmar que alguém possa ter tido o desplante de inaugurar aquele espaço, abrir ao público, ou lá o que foi, sem ter pensado que as centenas de pessoas que num fim de semana de Julho ou Agosto ali vão passar umas horas e que, se precisarem de fazer ... ou ... , vão ter de andar encosta acima, ou rio abaixo, atrás ou à frente de uma qualquer árvore.

 

Aproveitando a época que corre, no contexto eleitoraleiro em que vivemos e na perspectiva de que os candidatos autárquicos que vão andando por aí, passem pelo Agroal, deixava-lhes aqui uma sugestão:

Em vez de prometerem que vão fazer, passem à acção e façam. Já!

Cortem nos cartazes, nos almoços, nos jantares, nos quilómetros, no que puderem.

Com esse dinheiro comprem ou aluguém uma daquelas cabines WC, mesmo que tenha de se meter a moeda, e coloquem-na no Agroal. Podem pôr o emblema do partido, o cartaz da campanha, o que quiserem. 

Talvez deixem de vos acusar de andar a estragar dinheiro.

E até pode ser que dê votos.

Pensem nisso!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 01:12
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 27 de Julho de 2009
O Pias Longas Aeroclube não morreu! (ainda!)

O Pias Longas Aeroclube é uma associação que foi criada por escritura de Janeiro de 1999 e que está instalada em Sobral, na freguesia de N. S das Misericórdias, concelho de Ourém. Em terrenos cedidos pela Junta de Freguesia, por um período de 50 anos, instalou a sua sede; construiu um hangar onde recolhe os aviões dos seus associados, e outros; foi construindo uma pista de terra batida que já tem perto de 600 metros e, há cerca de um ano, criou e pôs a funcionar uma escola de pilotagem que já formou e continua a formar novos pilotos.

Contudo, apesar de todos os esforços e de terem projectado bem longe o nome da terra e do concelho, não conseguiram, ao que dizem, cair nas boas graças da Câmara Municipal de Ourém, especialmente no que respeita ao anterior Presidente, e vizinho, David Catarino, a quem apontam como o principal culpado da situação criada com a autorização dada para a instalação do parque eólico.

Durante anos, embrulhou, complicou, dificultou, pediu projecto, meteu projecto na gaveta, criando, por um lado, falsas espectativas à Associação, enquanto, por outro, ia negociando o parque eólico e informando a autoridade aeronáutica da "inviabilidade" do Aeroclube; acabou mesmo por limitar a autorização de funcionamento da pista ao final do corrente mês de Julho. 

O que não deixa de ser curioso é constatar que o Presidente da Junta de Freguesia, sendo um dos fundadores do Aeroclube, acabou por assinar um contrato com a empresa eólica o qual, para além de não salvaguardar os bens e interesses da associação, pura e simplesmente inviabiliza o uso da pista comprometendo toda a actividade do Aeroclube.

Durante a última reunião da Assembleia Geral do Pias Longas, o Presidente da Junta de Freguesia de N.S. das Misericórdias ter-se-á declarado enganado por promessas que lhe foram feitas, disse-se pressionado no sentido de assinar o contrato, acusando o próprio advogado da Junta de lhe ter dado a assinar um documento de cujo conteúdo não tinha perfeito conhecimento.

Quem também não terá ficado muito bem na fotografia é a própria Direcção do Aeroclube que parece ter acreditado em "histórias da carochinha" ou terá esperado que o milagre acontecesse; e não aconteceu! O silêncio por que optou não terá gerado qualquer benefício para a associação; antes pelo contrário!

Foi neste contexto, e num clima um tanto pesado, que se realizou, no passado fim de semana, a festa anual do Pias Longas Aeroclube - muito entusiasmo, muita gente, muitos aviões, muitos baptismos de voo, acrobacias, como se pretendia ( só os paraquedistas não saltaram, porque o vento não deixou )  - mas, no pormenor das conversas com os associados, era evidente o sentimento de revolta e indignação e a sensação de se estar na festa da despedida.

Há quem se recuse a aceitar que o PLAC acabou. Os optimistas acreditam sempre que aconteça o milagre! Mas, para os mais pessimistas, se não está morto, está, pelo menos, em coma.

E as entidades responsáveis pela situação - Câmara Municipal e Junta de Freguesia - lá tinham os respectivos Presidentes no almoço, o que não deixa de ser irónico.

Não sabemos se a empresa eólica, Alto da Lagoa,SA. estava ou não representada.

 

E das muitas conversas, continuaram a sobressair as dúvidas do costume:

 

- O que levou David Catarino a nunca apoiar o Pias Longas Aeroclube?

- Por que motivo não se compatibilizou o funcionamento da pista com a localização dos aerogeradores se, afinal, era tão fácil? Quem não soube, ou quem não quis negociar?

- Por que é que o parque eólico que está "em cima" do Pias Longas Aeroclube, na localidade de Sobral, se chama parque eólico do Bairro?

- O que terá levado o advogado da J.de Freguesia a pressionar para que aquele contrato fosse assinado?

- Quem são, afinal, os accionistas da empresa eólica?

 

Pode ser que o tempo vá esclarecendo ou, então, que tudo vá perdendo importância e até nem valha a pena continuar a pensar nisto.

 

O.C.



publicado por ouremreal às 21:30
link do post | comentar | favorito

Sábado, 25 de Julho de 2009
Ourém autárquico

A discussão acerca das próximas eleições autárquicas está, como era previsível, a escorregar para o lado pantanoso da questão, ou seja, não se discute o que importa e desconversa-se sobre o que não interessa; apregoa-se o fair play e a salutar convivência democrática e acaba-se na acusação, na insinuação, na ofensa e, por aí adiante. 

Mas isto não acontece só nestas eleições! É mais ou menos assim em todas. Enquanto as pessoas se entretêm a discutir o nada, o importante, os projectos dos candidatos, as suas propostas e os seus comprometimentos para os futuros 4 anos, nada disso é discutido! O confronto sério não existe, para que, comparando, depois, se possa escolher!

O que não é um problema de eleições; tão pouco da democracia! É, de facto, um problema de educação, de cidadania!

É claro que eu não sei quem paga os cartazes do sr Paulo Fonseca ! Nem quem paga os do sr Vitor Frazão ! Nem quem paga os almoços, nem as deslocações, nem os automóveis para essas deslocações, nem  os telemóveis, nem o aluguer das salas da campanha dum ou os jantares da campanha do outro ! Nem me interessa saber se a sede de campanha do sr Vitor Frazão é de 4 assoalhadas com vista para o mar, ou se a do sr Paulo Fonseca custou caro ou barato ou se lhe foi oferecida !

Mas duma coisa tenho a certeza: tanto nesta campanha, como nas anteriores, como entre campanhas, o orçamento municipal não suportou despesas do sr Paulo Fonseca nem do partido que o apoia! 

Tão pouco quero saber se as escolhas dos candidatos foram pacíficas ou conflituosas ! Se o sr A foi preterido em favor do sr B; Se a srª Y estava para levar os patins e foi salva in extremis; se os jogos de interesse pessoal ou de facção, dentro dos partidos, foram mais ou menos dolorosos! Problemas "tribais", simplesmente!

Se a drª X andou a bater palmas ao PS e acabou na lista do PSD é um problema dela e deles (dos partidos)!

É absolutamente irrelevante que os candidatos de um sejam altos ou baixos e os do outro sejam gordos ou magros, tenham bigode ou não tenham!

Confesso que nada disto se encaixa no meu conceito de política, propriamente dita.

Quando muito, trata-se de folclore politiqueiro que serve para entreter, desviar e adormecer!

O que importa é o produto final, ou seja, quem são os escolhidos e o que valem!

O que eu sei e todos os oureenses sabem é o que se tem passado nos últimos 33 anos de governação autárquica no nosso concelho, com cerca de 30 da responsabilidade do PSD e os outros do CDS e PDC. Isso sabe-se! Ou, pelo menos, vêem-se os efeitos!

O que me interessa/interessaria saber é/era se vamos ter mais do mesmo ou se, finalmente, o concelho de Ourém acorda e se transforma!

Se, finalmente, aparece alguém que saiba fazer, e bem, sem olhar a quem!

Se, finalmente, aparece alguém que não seja só, ou principalmente, militante, mas que seja, de facto, praticante, das virtudes, capacidades e atributos com que todos se auto elogiam.

Termino com um apelo aos políticos, ou aspirantes a políticos, do concelho; todos; esquerdas e direitas; do meio, dos extremos, dependentes, independentes e o que mais houver:

Mostrem os vossos programas, as vossas propostas; discutam-nas! Com seriedade!

O concelho de Ourém merece muito mais do que aquilo que lhe tem sido dado!

Ponham, de uma vez por todas, na vossa agenda diária:

seriedade, honestidade, solidariedade, competência e transparência.

Ou, então, não se metam nisto!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 12:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 9 de Julho de 2009
A Senhora Presidente

Depois de uns dias sem "informação caseira" acabo de dar uma passagem pelas "últimas" que me chegam pelo jornal da terra, "o Ourém e o seu Concelho" e retenho algumas passagens da entrevista da Senhora Presidente que li sem surpresa. Nem pelo que li, porque ela o disse; nem pelo que ficou por dizer, porque ela não o quis dizer.

Deolinda Simões é mesmo assim! Gosta do que faz; dedica-se, totalmente, ao que faz; é corajosa e determinada; e também gosta de protagonismo; o que, não sendo, de todo, um defeito, é, isso sim, um exercício que envolve algum risco; é claro que o risco do seu protagonismo, para o bem e para o mal, está perfeitamente blindado pela actual composição da Assembleia Municipal, onde a mais do que confortável maioria social democrata, a resguarda dos mais do que certos dissabores com que teria de conviver se assim não fosse.

É pena que, no seu exercício, tenha permitido que a Assembleia Municipal não tenha sido o órgão deliberativo responsável, com ideias e vontades próprias, como deveria ter sido, e a tivesse deixado escorregar para a área do domínio e controlo do executivo; David Catarino, enquanto Presidente da Câmara Municipal, foi, directa e indirectamente, o protagonista privilegiado das reuniões da A.M.; as suas vontades políticas orientaram, claramente, as deliberações da Assembleia; percebe-se porquê; mas as A.Ms. não existem para se subordinarem aos executivos municipais, ou então não vale a pena existirem.

Acha "compreensível" que os Presidentes de Junta procurem não "confontar" a vontade do executivo. Nada de mais "incompreensível"! Então onde está a liberdade de expressão? Onde está a separação dos poderes? Porquê a subordinação dos Presidentes de Junta ao Presidente de Câmara? Então se o P.J. contrariar as vontades do P.C. corre o risco de levar "raspas" para a sua freguesia?  Nada mais democrático! E o que é que, em que medida é que o P.C. tem a ver com o que se passa na A.M. ?

Mas se não posso aplaudir a sr.ª Presidente, enquanto tal, não posso deixar de reconhecer a sua coragem e a determinação com que ataca as adversidades. Aqui tem o meu aplauso!

E, já agora, aproveitando a conjuntura:

A sr.ª Presidente tem a certeza de que, no seu partido, não estará ninguém a preparar-se para lhe "fazer a folha"?

 

O.C.

 



publicado por ouremreal às 22:51
link do post | comentar | favorito

Sábado, 4 de Julho de 2009
O gesto e as palavras

Quando vi o gesto do ex-ministro, na Assembleia da República, a fazer, com os dois indicadores, qualquer coisa parecida com um par de chifres, pensei: o homem passou-se!

Contudo, depois de terminado o debate sobre o estado da nação; depois de ter reflectido sobre tudo o que ouvi durante esse debate e, principalmente, no final, com todos os representantes dos partidos políticos a manifestarem tanto incómodo, tanta indignação com o gesto de Manuel Pinho, mesmo sem eu saber o que ele quis dizer com o tal gesto,concluí que:

- aquele gesto pode ter sido muito menos ofensivo do que muitas das palavras que, por vezes, são ditas na A. da R.;

- aquele gesto prejudica muito menos o país do que muitas das decisões que são tomadas naquela casa;

- a hipocrisia, a falsa moral, a cândida inocência, o tom de suspeição/acusação que enforma alguns dos discursos com que somos presenteados  incomodam muito mais do que o gesto do ex-ministro;

- na minha opinião, a A. da R. não é, nunca foi, duvido que alguma vez seja, a casa de todas as virtudes que se quer fazer crer;

- nenhum deputado, qualquer que seja, não pode ser transformado no ser supremo a quem se permita dizer, impunemente, à sombra das mais celestiais imunidades, as barbaridades que lhe vêm à cabeça; porque o facto de ter sido democraticamente eleito, não lhe pode conferir o democrático direito de ofender alguém, que, também democraticamente, só possa ser obrigado a ouvir e calar. 

 

De facto o gesto não foi bonito! Nem feio! Devia ter sido evitado!

Tal e qual como muita da conversa inútil que por lá se ouviu!

Mas, se o gesto quis dizer o que me apeteceu dizer no final daquilo tudo...então, sr. 1º ministro, o sr. cometeu mais um erro: um não! dois:

1º - não devia ter pedido desculpas a ninguém;

2º - não devia ter aceite a demissão do ministro.

 

Porque, de facto, aquilo tudo não valeu um caracol...!!!

 

 

O.C.



publicado por ouremreal às 01:49
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Toupeiras

O crime não compensa!

30 kms / hora

IVA dos partidos político...

Somos os maiores!?

Santana - o exemplar

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

arquivos

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds