Sábado, 27 de Setembro de 2008
O Bom Pastor voltou!

Ele era um bondoso pastor que cuidava do seu rebanho convencido que, sem ele, seria uma calamidade, tipo dilúvio, um desperdício de almas que iriam fazer as delícias do mafarrico. Eis, senão quando, o 25 de Abril de 1974, acontece. Desprevenido, assustado e desgostoso, sente-se ameaçado no seu estatuto, no seu papel de guardador de almas e reage, ao bom estilo de quem acha que a melhor defesa é o ataque e, diz quem sabe, nos tempos que se seguiram à revolução, era vê-lo, ouvi-lo aos domingos e lê-lo nos jornais cá do sítio, semanal e quinzenalmente, a desancar em tudo quanto era "comunista". E, naqueles tempos, tudo o que se desviasse mais de 20º do rumo até aí traçado pelo seu adorado e tão mal tratado regime, era comunista (no desvio dos 20 graus cabiam o desaparecido PDC, o velho CDS e o original PPD. Só!)

Depois passaram-se uns bons tempos de acalmia. Mais discreto, talvez expectante, deixa lá ver no que é que isto dá, não se mostrou muito.

Mas, nas últimas autárquicas, voltou a dar um arzinho da sua graça, e o candidato dos comunistas à Câmara de Ourém, lá voltou a "levar" com mais uns piropos do seu velho "amigo". Agora, parece que reformulou os seus (pre) conceitos e os comunistas já não são perigo nenhum, ou, talvez, um perigo menor, porque, agora, o perigo são os socialistas. Vejam só estes pequenos excertos da bela prosa, com que nos brindou, no último número do jornal de Ourém, a propósito da insegurança em que acha que vive:

"...o problema não radica na quantidade de polícia, mas sim na qualidade dela", leia-se, " no seu poder efectivo".

" Quem não se recorda do caso do polícia posto na prisão, enquanto que o ladrão que perseguia foi posto em liberdade?"

" Quanto à pena capital, uns defendem-na e outros não, mas há casos que o respeito pela vida talvez a justificasse."

" Ao Estado compete fazer justiça em ordem ao bem-estar de todos"

" O caso português nesse aspecto deixa muito a desejar. Efectivamente ao favorecer o infanticídio, como acontece com o actual executivo do Partido Socialista, que autoridade lhe resta?"

" Como se compreende que ... o Governo gaste o dinheiro público a exterminar os nascituros!"

" Vêm aí as eleições. Queira Deus que acordemos e reponhamos sensatez no exercício do poder. "

 

Em conclusão:

O Bom Pastor quer uma polícia mais musculada, como antigamente. Quanto ao infanticídio, só pode estar a referir-se à interrupção da gravidez e, pelos visos, é contra. Já a pena de morte...admite, nalguns casos, por respeito à vida (?) Esta não percebi. Julgo que fez as contas e deve ser mais barato uma execução por enforcamento, por exemplo, do que interromper uma gravidez. Mesmo não tendo nada a ver uma coisa com a outra, talvez ache preferível a que fica mais barata. Quanto às eleições...bem, nada a dizer, a não ser que abriu a época da caça... ao voto. E, depois, a cunha do costume: queira Deus que...

E se vozes de...Bom Pastor não chegarem ao céu?

 

O.C.



publicado por ouremreal às 21:56
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008
O Magalhães

A escola de hoje não é mais a que conhecemos quando por lá passámos, menos ainda como a dos nossos pais e quase nada a pode comparar com a dos nossos avós. Da mesma maneira como as famílias de hoje são bem diferentes das de há trinta anos atrás e mais ainda das de cinquenta ou sessenta. Tal como a sociedade em que vivemos e aquela que moldou os nossos pais e avós. Tudo é diferente e, quando começamos a fazer comparações, temos que ter o discernimento suficiente para contextualizar o que estamos a comparar, sob pena de cairmos no disparate. Vem isto a propósito da recente entrega de computadores a alunos do ensino básico e da comparação que uma encarregada de educação, entrevistada à porta de um jardim de infância, fez  por causa de não haver pessoal auxiliar em número sufuciente. Dizia ela: " não há dinheiro para pagar a mais empregadas, mas há dinheiro para computadores para as escolas ".  É claro que se compreende a insatisfação pela falta das auxiliares, mas isso nada tem a ver com a entrega dos computadores; são coisas bem distintas, e querer estabelecer este tipo de comparação revela, pelo menos, ignorância.

 

Mas vamos ao Magalhães - assim se chama o computador que já foi entregue a algumas escolas e que, segundo se diz, vai poder cobrir todo o ensino básico, ou seja, o ensino obrigatório do 1º ao 9º anos, em paralelo com um outro programa de fornecimento de computadores que já foi lançado há mais tempo.

O Magalhães merece-me alguns comentários:

 

1º - O acesso dos alunos às novas tecnologias é uma decisão acertada e o facto de ser a  escola de hoje a incorporar essa preocupação na sua acção, parece-me ser positivo.

 

2º - O computador será dado a cada aluno. Bem... a ser assim, não se compreende toda a filosofia que vem sendo apregoada de dar mais a quem mais precisa, as capitações e os escalões para os subsídios da acção social escolar e, muito menos, a conversa fiada da moralidade e de mais não sei o quê. A escola ( quer dizer, o Orçamento de Estado/o nosso dinheiro ) não tem que dar computadores, como não dá livros a toda a gente, nem almoços, nem transportes, nem (quase) nada, pela simples razão de que não há dinheiro para tanto. E enquanto a gratuitidade do ensino for uma miragem,  parece que o melhor é fazer doer a todos. A escola deve, isso sim, é proporcionar a todos o acesso ao computador; quem o quiser, para lhe chamar seu, pode comprá-lo. É simples!

 

3º - A entrega. Mesmo simbólica, não precisava de tanto espalhafato. Foram ministros a mais, comitivas a mais, deslocações a mais, despesas a mais. Televisão a mais! 

 

4º - O impacto na escola. Não tenho a certeza de que as escolas estivessem avisadas para contar com esta "novidade" na elaboração dos seus projectos curriculares para o ano escolar em curso. Como também não tenho a certeza que todos os professores dominem, suficientemente bem, as técnicas didáctico-pedagógicas, no que a esta ferramenta diz respeito, de modo a tirar o melhor rendimento do seu uso. O computador não pode ser um brinquedo para entreter meninos, nem um obstáculo ao trabalho docente. E não parece espectável que o seu uso se restrinja ao período das actividades de complemento curricular, pelo que parece necessário um bom período de adaptação até que o computador ocupe o lugar a que tem direito no dia a dia de uma sala de aula.

 

5º - O impacto nas famílias. Para a maioria, o computador já não será novidade o que não significa que perceba suficientemente do assunto para poder intervir, se necessário, ou acompanhar o seu educando nas dúvidas, nos estudos, na net, enfim, em todas as valências que o computador oferece. Tenho dúvidas que, da parte de muitas famílias, haja a capacidade de evitar que as coisas descambem para o lado errado. A net tem demasiados perigos que convivem mal com o desconhecimento, a distracção, ou excessos de confiança.

Também aqui a escola vai ter de incrementar uma maior concertação e união de esforços para que tenhamos, cada vez mais, encarregados de educação informados e avisados.

 

E já que os computadores vão para casa, que todos os usem, os aproveitem. Convenientemente!

 

E que não apareça alguém que ache que o melhor é vendê-lo para ... comprar uma porcaria qualquer!

 

 

O.C.



publicado por ouremreal às 20:48
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 17 de Setembro de 2008
Espite é já ali!

Durante uns anos, a vida profissional afastou-me um pouco do concelho de Ourém. Para além da localidade  "dormitório ", durante a semana, e residência nos fins de semana, eram raras as incursões no concelho profundo, ao ponto de permitir que o meu registo mental se fosse desactualizando, no que respeita à realidade de algumas das freguesias. À maneira que vou tendo disponibilidade, procuro revisitar alguns dos lugares que conheci e que já não vejo há mais ou menos tempo. Foi assim que, há dias, passei na sede da freguesia de Espite, onde já não estava há uns bons anos, não sei bem quantos, mas os suficientes para ficar surpreendido, agradavelmente surpreendido, com o que estava a ver: a rua principal que leva até à Memória está cuidadosamente asfaltada, há passeios arranjados, há espaços públicos organizados, há edifícios limpos e cuidados; o que pude ver, embora superficialmente, não tinha muito a ver com a ideia que tinha o que me leva a tirar, pelo menos, duas conclusões:

A primeira é a de que os responsáveis autárquicos, por aqueles lados, não têm andado distraídos.

A segunda é que há muitos anos que não passava em Espite.

Foi agradável ver este progresso! É claro que desconheço se existem infra-estruturas que proporcionem o necessário bem estar a quem lá vive, mas deduzo que os mínimos não faltem ao ponto de deixar no ar uma pergunta: o que faltará a Espite para que possa ser elevada à categoria de vila?

 

O.C.

 

 



publicado por ouremreal às 14:54
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Toupeiras

O crime não compensa!

30 kms / hora

IVA dos partidos político...

Somos os maiores!?

Santana - o exemplar

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

arquivos

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds