Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OuremReal

OuremReal

15.02.09

Ourém ecológico II


ouremreal

O GPS não errou. Foi só introduzir as coordenadas e lá estávamos na localidade de Sobral, freguesia de N.ª Sr.ª das Misericórdias, na tentativa de encontrar a floresta mediterrânica, na reserva ecológica de que é protector o sr Patacho. Se foi fácil chegar ao Sobral, já não foi tão fácil encontrar a tal floresta, porque, por esse nome, ninguém conhecia. Mas quando perguntámos onde é que andavam as máquinas a baldear tudo para montar as torres eólicas, toda a gente sabia.

E foi aqui que começou a confusão!

Afinal as máquinas estão lá, andam a escavaçar tudo, já abriram uns seis buracos para implantar as torres, e não consta que tenham destruído o que quer que fosse, porque ainda ninguém lá apareceu a chorar por azinheiras, oliveiras, tojeiros, carrasqueiros, lagartixas, pirilampos, etc e tal. E vão continuar, porque, ao que se diz, são 14 ou 15 torres para começar e para aí outras tantas a seguir.

Primeira conclusão: estas máquinas devem andar de pantufas, porque não só não destruiram nada da tal floresta mediterrânica, como não devem fazer barulho nenhum, nem ainda ninguém as viu para avisar o protector.

As outras máquinas, que não usavam pantufas, as tais que só não destruiram a tal floresta toda, porque alguém teve o cuidado de avisar quem de direito, não estavam lá. Azinheiras, daquelas propriamente ditas, também não vi. Nem vivas, nem mortas. No entanto, se considerarmos que os carrasqueiros de hoje poderão ser as azinheiras do próximo século, admitimos que algumas poderão ter sido atropeladas na passagem das tais máquinas que, segundo uns, só abriam caminhos; segundo outros, esboçavam o perfil do que se pretende identificar com uma pista para ultraleves.

Segunda conclusão: não é verdade que tenha havido a tal carnificina de azinheiras; as oliveiras arrancadas terão sido pagas aos respectivos donos; acho que já distingo um tojeiro, de um carrasqueiro e de uma azinheira.

A eólica do Bairro, afinal, fica junto ao Sobral, porque as tais torres, que podem ter 90 metros de altura e pás com 30, não são grande vizinhança por causa da barulheira que fazem e as que ficavam mais perto do Bairro foram afastadas para longe.

Terceira conclusão: as pessoas do Sobral parece que andam distraídas e ainda não perceberam o que lhes está para cair em casa; no Bairro alguém está bem atento.

A par da euforia dos milhões, que parece andar a animar isto tudo, há um misto de desespero, muita revolta, desconfiança e bastante dúvida.

Desespero por se ver que, quando o poder e a razão têm que se confrontar, o primeiro acaba, normalmente, por levar a melhor.

Revolta por parte de quem se vê forçado a decidir ao contrário do que pensa.

Desconfiança porque, de facto, não se pode confiar em pessoas que, pelo cargo que ocupam, deveriam ter outro comportamento.

Muita dúvida por não se perceber o que leva algumas pessoas a usar o poder de forma calculista e traiçoeira.

Para terminar:

- Os aviões do Pias Longas Aeroclube continuam a voar e a autorização que actualmente têm vai até 31 de Agosto, segundo nos foi informado. Resta saber se não vão acordar um dia destes com uma eólica no meio da pista.

- Anda toda a gente intrigada com os detentores das quotas da sociedade anónima que foi criada para este parque de eólicas. Quem são eles? Eu não sei!

- Tanto quanto se pode perceber, o anterior Presidente da Câmara não é pessoa muita querida aqui por estes lados.

- Aguardemos pelos capítulos que aí vêm, porque devem ser interessantes.

 

 

O.C.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.