Domingo, 20 de Outubro de 2013
A Constituição da República

A Constituição da República, que data de 1976, é a lei base que estabelece os limites em que se desenvolvem as normas que concorrem para a organização da nossa vida em sociedade democrática e que pôs fim a 4 décadas de vigência duma outra Constituição, a de 1933, que morreu com o 25 de Abril de 1974.

Elaborada, discutida e aprovada num contexto de alguma agitação social, com elevada euforia revolucionária à mistura e uma certa indefinição política, contou com a colaboração empenhada de pessoas que, embora possuidoras de várias e diferentes sensibilidades, souberam ter a serenidade, a visão e a sabedoria suficientes para encontrar um texto equilibrado, moderno e suficientemente progressista, para nos colocar a par das sociedades mais avançadas.

Dizer que se conseguiu um texto perfeito, sem falhas, do agrado de todos, seria um exagero.

Que sempre houve, e continua a haver, quem não aceite a Constituição, parece uma evidência que ao longo destes últimos 37 anos se tem constatado. O que parece não deixar dúvidas é que a esmagadora maioria dos Portugueses a continua a apoiar, agora, como em 1976 o fizeram todos os que, de uma forma ou de outra, fizeram ouvir as suas vozes a favor dessa Constituição e dos valores que defende.

Só que o tempo, os contextos e os interesses de certas elites que se têm vindo a aproximar do poder, a conquistá-lo e a usá-lo, têm mostrado à evidência que a tal Constituição, moderna, progressista e que o Povo Português sufragou, se transformou num obstáculo às manobras que essas mesmas elites querem pôr em prática para atingir as suas desmedidas e inconfessadas ambições.

Daí que passássemos a assistir a uma série de ações tendentes a remover obstáculos e abrir caminho para os tais desígnios, nem sempre muito claros, mas que começam a ficar mais nítidos à medida que as ações se vão sucedendo.

Foram as sucessivas revisões constitucionais, com alterações ao longo das 7 ou 8 que já foram feitas e que, pelos vistos, ainda não são suficientes.

Passaram, ultimamente, a um ataque mais incisivo, embora ainda não de uma maneira direta.

Decidiram atacar o Tribunal Constitucional, que é o órgão a quem compete assegurar a conformidade das leis com a Constituição e que, mais não faz do que dar cumprimento ao que o próprio texto constitucional determina. Foi a forma que governo e apoiantes encontraram para combater o que na Constituição dificulta as suas manobras. E vai teimando, repetindo a adoção de normas que colidem com o texto constitucional, para suscitar a reação contrária daquele Tribunal e vir, depois, para a praça pública fazer crer que não podem governar, porque são impedidos de adotar as medidas salvadoras da situação caótica em que estamos. Depois, a coberto dessa pseudo impossibilidade, acabam por adotar medidas ainda mais gravosas que as primeiras, contornando, habilmente, o tal impedimento.

O próprio Presidente da República, sustentáculo político desta governação, pondera, em certos casos, entre pedir ou não pedir a fiscalização do Tribunal Constitucional, por causa dos “enormes prejuízos” causados pelo eventual chumbo deste órgão a medidas apresentadas pelo governo, quando a sua ação devia ser a de pura e simplesmente rejeitar aquelas propostas governamentais, uma vez que faz parte das suas atribuições e competências zelar pelo cumprimento da Constituição.

O objetivo de tudo isto é o de criar na opinião pública a ideia de que o Tribunal Constitucional, primeiro, e a Constituição a seguir, são um entrave à governação do País. E não estão sozinhos neste ataque. A Comissão Europeia, do presidente Barroso, dá-se ao luxo de fazer comentários abusivos sobre o Tribunal Constitucional, intrometendo-se, despudoradamente, nos assuntos internos de Portugal. A presidente Lagarde, do FMI, também acha que o Tribunal Constitucional pode ser uma dificuldade para o cumprimento do programa de resgate.

E tudo isto se passa com o silêncio dos órgãos de soberania portugueses! Incompreensivelmente! Ou talvez não, se todos estiverem a concorrer para o mesmo fim, que é, afinal, o de fazer crer que o problema está na Constituição da República!

E se era preocupante o ataque do governo à Constituição, esta conjura concertada passou a ser MUITO preocupante!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 23:04
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Anónimo a 21 de Outubro de 2013 às 13:08
Texto que merece o meu acordo e aplauso!
Com muita satisfação e (e proveito) o li,

Saudações


De Anónimo a 21 de Outubro de 2013 às 13:09
identifico-me cmo autor do anterior comentário:

Sérgio Ribeiro - Zambujal


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

Santana - o exemplar

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

Eleições autárquicas

O ultimato

O diabo

Os incêndios

Cristiano e o fisco espan...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds