Domingo, 25 de Agosto de 2013
Ser ou não ser independente!

1 - Parece estar na moda criticar os partidos políticos, culpá-los de serem causadores de todos os males que afetam a nossa sociedade e servirem de albergue a muita gente que deles se aproveita para singrar na vida, criando-se a falsa ideia de que todas as virtudes estão fora do âmbito partidário.

Convém lembrar que o regime político que governou Portugal no período entre 1926 e 1974, que teve como expoente máximo o dr. Salazar, pensava mais ou menos a mesma coisa e, por isso, resolveu acabar com os ditos partidos, instituindo o regime de partido único, criando a União Nacional, que o mesmo é dizer: partidos sim, mas só os que disserem e fizerem o que eu quero, e como eu quero! Parece fácil perceber que o problema, afinal, não era a existência de partidos políticos, mas sim o facto de se poder pensar e agir de maneira diferente daquela que o dr. Salazar e seus pares queriam. E para que a coisa não falhasse acabou-se com a liberdade de expressão, de reunião e manifestação, instituiu-se a censura prévia, criou-se a polícia política para reprimir tudo o que ousasse mexer com “os superiores interesses da Pátria” e mais uma série de medidas que transformaram Portugal no tal “paraíso” dos bons costumes, do povo sereno, honrado, humilde e trabalhador com que atravessámos quatro penosas décadas até “desaguarmos” no dia 25 de Abril do ano de 1974 do século passado.

É penoso constatar, passados estes anos todos que, contrariamente ao que a maioria dos Portugueses ansiava, não desaguámos mesmo no mar da tranquilidade e que, depois de embalados por melodias de encantar e adormecidos por falsas bonanças, percebemos que caímos na pior das tempestades! Onde, de facto, estamos!

 

2 - E a culpa é de quem? Dos partidos políticos? Do meu ponto de vista, não!

A culpa é (além de outros), em primeiro lugar, e principalmente, de políticos incompetentes, desonestos, mentirosos e oportunistas que não têm sabido conduzir o país para o caminho do progresso, (muitos deles pertencentes a partidos políticos, outros, não).

E estes políticos são pessoas! Que continuariam a sê-lo, tal como são, seja num regime de partido único, seja num regime pluripartidário, ou sem partido nenhum! São pessoas que não prestam, que não merecem confiança, que não podem ter o poder para fazer o que querem.

Com uma grande diferença:

Num regime de partido único, nem contestadas poderiam ser;

Num regime pluripartidário ainda conseguimos denunciar e protestar, por pouco que isso valha, e só voltamos a dar-lhe o poder que não sabem usar, se cairmos na asneira de voltar a votar neles;

Num regime sem partidos, ou outras organizações idênticas, nem pensar, porque seria a escuridão completa – não saberíamos o que eram, o que queriam, como se geriam, como se financiavam, enfim, estas aparentes pequenas coisas que acabam por fazer toda a diferença.

 

3 - Voltando ao princípio desta conversa – a moda de estar contra os partidos políticos, quando ser, ou dizer-se, independente, além de começar a ser chique, começa a ser confundido com ser detentor de todas as virtudes e estar imune a todos os defeitos que possam afetar os que são do partido A ou do partido B.

Afinal o que é um partido político senão uma organização, constituída por pessoas, que são conhecidas, que têm uma determinada ideologia, que é conhecida, que se regem por regulamentos e estatutos, que são conhecidos?

Tudo perfeito? Claro que não! Cometem erros? Claro que sim!

 

4 - Fique claro que não defendo que a única maneira de uma sociedade se organizar politicamente seja através da constituição de partidos políticos tal como os que temos hoje. De modo nenhum! Mas outras organizações cívicas que se criem, só poderão sê-lo com pessoas, naturalmente! Que não serão diferentes das que estão nos partidos políticos! Com ambições, vontades, defeitos e virtudes semelhantes! Ou não será?

O que não podemos é ter organizações secretas, de que não se saiba o que são, o que querem, como funcionam!

Ninguém tem que gostar dos partidos políticos que temos. Muito menos pertencer ou identificar-se com a ideologia de qualquer deles. Daí que constituir a organização X ou o movimento Y, e concorrer a um ato eleitoral, deveria colocar essa organização, esse movimento, em igualdade de circunstâncias, no que respeita a direitos e deveres, aos partidos políticos que concorrem no mesmo ato eleitoral!

Não vejo nisso ameaça nenhuma a nada, antes pelo contrário, parece-me um reforço da democracia, na medida em que promove uma maior participação das pessoas na resolução dos problemas coletivos e seria uma maneira de poder levar os partidos políticos a rever e, até, aperfeiçoar a sua ação na sociedade, se fosse caso disso.

Seria (ou será) do resultado da atuação das pessoas no desempenho dos cargos que poderemos concluir se a bondade desse desempenho tem a ver com as qualidades intrínsecas dos atores ou se, ao invés, tudo resulta de estar ou deixar de estar ligado ao partido A ou B, e passar a estar ligado à organização X, ou ao movimentoY.

 

5 - Se olharmos ao que está a acontecer na campanha que decorre para as autárquicas do próximo mês de Setembro, constatamos, com alguma curiosidade, que há independentes para diversos gostos e paladares – todos respeitáveis naturalmente!

5.1 - Independentes incluídos nas listas partidárias que, não tendo qualquer filiação, simpatizam ou se identificam com esse mesmo partido, ou que anteriormente apoiaram outros e, agora, resolveram mudar; mais os recém desfiliados doutros partidos, ou porque entraram em litígio com os dirigentes, ou deixaram de ter espaço de manobra para o protagonismo que queriam ter, ou porque, simplesmente, deixaram de acreditar no partido a que pertenciam; ou por estratégia ou conveniência.

5.2 – Independentes incluídos em listas não partidárias, recém desfiliados doutros partidos, ou porque entraram em litígio com os dirigentes, ou deixaram de ter espaço de manobra para o protagonismo que queriam ter, ou porque, simplesmente, deixaram de acreditar no partido a que pertenciam, ou por estratégia ou conveniência; mais os simpatizantes de partidos políticos, embora sem qualquer filiação, mas que optam pela candidatura não partidária por lhe parecer a solução mais adequada.

 

6 – Resumindo e concluindo - independentes são pessoas que não têm, ou porque deixaram de ter, ou nunca tiveram, filiação partidária, que integram ou apoiam listas partidárias ou não partidárias e que, por tudo isso, não são melhores nem piores que quaisquer outras – são apenas pessoas!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 20:44
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Sérgio Ribeiro a 28 de Agosto de 2013 às 12:00
Reflexões que merecem... reflexão. E debate.

Saudações

Eu, por mim, tomiei partido há muitos anos... e continuo livre e independente!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

Eleições autárquicas

O ultimato

O diabo

Os incêndios

Cristiano e o fisco espan...

O aeroporto de Monte Real

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds