Segunda-feira, 11 de Março de 2013
Da indignação à revolução

Parece estar na moda a contestação aos políticos, em geral, e aos partidos políticos, em particular. Evidenciam-se os movimentos disto e daquilo, mais ou menos indignados, descontentes, reformados, aposentados, desempregados.

Todos com as suas razões! E muitas!

De facto, olhando para trás, até onde a nossa memória nos permite chegar, o que podemos ler nesse registo? Muitos políticos, muitas promessas, muitas ilusões, muitas mentiras, muitas decisões, muitas desilusões, muito oportunismo, muita hipocrisia, muita arrogância, muita incompetência e muitas outras coisas! Nem todas más! Longe disso!

Na última grande manifestação, através duma reportagem televisiva, assisti a um episódio que me deixou preocupado e a pensar: uma repórter que acompanhava a dita manifestação entrevistou uma manifestante que, pelos vistos, é, ou foi, não tenho a certeza, deputada de um partido político. Logo um grupo dos organizadores da manifestação lhe caiu em cima, de megafone em riste, como se alguém estivesse a invadir propriedade privada, ou a cometer um crime qualquer, numa atitude de intolerância, a rondar a agressividade, que mais parecia uma exibição de quem se acha na posse da verdade absoluta, nada compatível com qualquer clima democrático.

Afinal, quem são estes organizadores, o que ou quem os motiva? Não sei!

O que querem, concretamente? Também não sei!

Qual é o passo seguinte na sua estratégia? Ou será que isto, a simples manifestação, lhes basta? Desconheço por completo!

Também ouvi um outro entrevistado dizer que estas ações devem obedecer a uma sequência de intensidade graduada que passará pela indignação, manifestação, revolta, organização e, finalmente, pela revolução.

Achei curioso este pensamento e não faço ideia nenhuma se é ou não partilhado pelos responsáveis pela manifestação!

Admitindo que sim, já que não estou a ver ninguém a organizar manifestações desta dimensão só para fazer barulho, nem para dar razão ao primeiro-ministro que diz que as manifestações não resolvem nada, sou forçado a fazer a ligação dos dois episódios que referi e a minha preocupação aumenta.

Primeiro, porque não comungo dessa ideia de que os partidos políticos são a causa de todos os males e têm que ser banidos. Embora tenham muitos defeitos!

Segundo, porque daquelas 5 fases que o entrevistado propunha para toda a ação, a terceira, a organização, é muito importante! Talvez a mais importante de todas. É a fase onde cabe o projeto para o futuro, o programa, a ideologia, o caderno de encargos, digamos assim, o que fazer, quando e como; e quem o vai fazer!

Terceiro, porque me recuso, por questão de princípios, a “passar cheques em branco” e não apoiarei, em nenhuma circunstância, gente que não conheço, tão pouco sei das intenções, mesmo que possa achar oportuna a parte visível da sua ação.

Partindo do princípio que toda a suposta ação vai / iria (?) acontecer com respeito pelos valores democráticos, porque não pressuponho que se queira caminhar para uma situação de anarquia, há um sentimento que não tem cabimento, a intolerância; aí os princípios do movimento organizador não são muito animadores; por outro lado, a transparência parece-me indissociável de qualquer ação/intervenção política, social, ou o que lhe queiram chamar; nesse aspeto o vazio é completo! E este é o perigo maior! Porque alguém preencherá, rapidamente, e com oportunidade, qualquer vazio que exista!

As pessoas que manifestam a sua revolta com todas as razões que lhe assistem, merecem uma organização transparente e consequente! Para que o primeiro-ministro não tenha razão!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

Eleições autárquicas

O ultimato

O diabo

Os incêndios

Cristiano e o fisco espan...

O aeroporto de Monte Real

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds