Terça-feira, 25 de Outubro de 2011
Como é que eu não me lembrei disto!?

Era evidente que uma Europa sem petróleo e uma América a precisar de mais para satisfazer as necessidades estavam preocupadíssimas com as atrocidades do coronel líbio!

Toda a gente sabia que ao enviarem o seu braço armado para o conflito só estavam a pensar na libertação daquele povo oprimido!

Também sabemos que só por pura hipocrisia é que Kadafi se tornou um ditador a abater há muito pouco tempo. Porque, antes disso, era um “bom”aliado e a sua ditadura não incomodava.

Previ que Kadafi ia ser capturado! E foi!

Foi fácil prever que seria assassinado! Mas não fui capaz de prever, nunca me ocorreu, que pudesse ter sido morto por quem foi!(?).

Depois de vermos a barbaridade que as televisões mostraram.

Depois de ouvirmos o comandante das forças que o capturaram dizer que não sabia quem o tinha morto.

Eis que, hoje, um senhor do conselho nacional de transição afirmou que Kadafi foi morto pelos seus próprios homens para que não sofresse a humilhação de ser julgado e condenado. (!!!)

Curiosamente, esta versão aparece depois de se começar a falar num inquérito às circunstâncias da morte do coronel.

Ainda se começou a esboçar a hipótese de se ter atingido a ele próprio, porque ao sair dos canos onde se refugiou já viria ensanguentado e com a pistola na mão encostada à cabeça. Mas, como vinha com vida, a hipótese do suicídio não vingou.

Então, só podia ser morto pelos seus homens que, não entendo como, estariam ali, misturados com os captores, ao molho, a participar naquela barbaridade.

Como é que eu não me lembrei disto!?

 

O.C.



publicado por ouremreal às 01:40
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

IC9-CUT

Já todos percebemos que os nossos (des) governantes são radicalmente anti-SCUT, ou seja, tudo tem que ser com custos para o utilizador (CUT) e nada sem custos (SCUT).

Como se tudo o que é feito com recursos vindos do orçamento de Estado não seja, só por isso, com custos para todos nós, utilizadores ou não utilizadores do que quer que seja!

No que respeita às estradas a coisa começa a ficar feia demais!

Ao passar, hoje, no IC3, troço entre Entroncamento e Tomar, constatei que estão instalados os pórticos para colocação dos mecanismos para cobrança de portagens. Concluo que não são só as autoestradas que passarão todas a ser CUT’s, porque, ao que parece, há IC’s que também passarão a IC CUT’s. E, a seguir, os IP’s passarão a IP-CUT’s, as estradas nacionais EN’s passarão a EN-CUT’s, as municipais EM’s passarão a EM-CUT’s e os carreiros por onde eu corria, lá na minha aldeia, ainda passarão a carreiros-CUT.

Assim sendo, já estou a ver o IC9, do nosso (des) contentamento, que anda por aí a serpentear pelo nosso concelho e a dar chatice a muita gente, a passar a IC9-CUT e a dar mais dores de cabeça do que alegrias a quem alguma vez sonhou que essa estrada poderia ser um fator de desenvolvimento para as nossas terras.

Em meados do século passado já se pagava “a estrada”; as carroças dos burros e as bicicletas pagavam uma licença para circular e tinham uma chapinha com o número dessa licença.

Portanto, este tudo-CUT para onde estamos a ser levados, a PASSOS largos, não são nada de novo!

É uma espécie de redescoberta da pólvora!

Só que andam por aí uns curiosos, armados em pirotécnicos, a brincar com o fogo que ainda acabam por se magoar...

 

O.C.

       

 



publicado por ouremreal às 00:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 16 de Outubro de 2011
Feriados e pontes

Há dois dias atrás, quando se falou sobre a alteração de feriados que o governo quer levar a cabo para “diminuir as ausências ao trabalho e acabar com as pontes” foi entrevistado por um canal de televisão um sr. padre, de que desconheço a identidade e que, em nome da organização a que pertence, a Igreja Católica, proferiu, mais ou menos estas palavras, “pontes só as dos arquitetos e engenheiros e não as pontes da preguiça”, acrescentando que a sua Igreja concordava com a alteração dos feriados e a abolição das pontes estando mesmo disponível para alterar as datas de alguns feriados religiosos.

Esta conversa deixou-me a pensar!

Primeiro -  Aquele sr. deve ser um trabalhador (?) daqueles que por mais que trabalhem nunca se cansam; logo, não precisa de descansar; se lhe derem a oportunidade de o fazer, ele recusa-a porque, se não precisa, cai inevitavelmente na preguiça. E isso não é mau! É péssimo!

Segundo -  Pertence a uma classe privilegiada; não consta que haja padres no desemprego, não precisam de sindicatos para nada, não precisam ir às manifs, porque não há nada a reivindicar, não sei que contrato têm com a entidade patronal, não sei quanto ganham, nem quem lhes paga, não sei se pagam renda, água, luz e gás das casas onde vivem, não têm filhos para criar, enfim, pelo que parece não têm os mesmos problemas do cidadão comum a começar pela não necessidade de pontes para o que quer que seja, nem sequer para descansar. E, não tendo os mesmos problemas do cidadão comum, é natural, normalíssimo, que reaja de modo diferente a factos da vida real, como o caso dos feriados e das pontes. Só que, e por isso mesmo, não tem o direito de qualificar de preguiçosos aqueles que aproveitam as pontes que lhes derem, se e quando lhas derem, para fazerem o que muito bem entenderem, até mesmo para preguiçar.

Terceiro – Não entendo, a não ser como um exercício de pura demagogia, como é que um governo, ou uma entidade patronal qualquer, fala em pontes. Como se as pontes fossem mais do que uma benesse que é (ou não é) dada ao trabalhador. É prejudicial? Arruína o país, a empresa? É fácil de resolver. Não se concede. E ponto final.

Quarto – Há feriados a mais? Há feriados que não se justificam? Admito que sim. Quais é que não se justificam? Nunca pensei nisso! Mas os que invocam datas importantes da nossa história, como, por exemplo, 1º de Dezembro, 5 de Outubro, 25 de Abril parecem-me “inegociáveis”.

Por último - Quanto aos feriados religiosos, tanto quanto sei, só se assinalam os da religião católica o que me parece um exagero, pois, embora maioritária, essa religião não é única em Portugal. A abertura da Igreja para negociar as datas dos feriados religiosos parece-me acertada. Chamem-se as religiões todas e acerte-se o calendário. Façam um esforço e entendam-se!

Pela parte que me toca, não tenho nada contra feriados, nem pontes!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 22:02
link do post | comentar | favorito
|

Gorduras

E primeiro que eu percebesse o que são as gorduras do Estado…!!!

Há uns meses atrás, bem ouvia o sr. dr. Passos Coelho a clamar, alto e bom som, que era preciso cortar as gorduras do Estado, acabar com o despesismo, que era impensável aumentar os impostos, que o equilíbrio das contas teria que ser feito com redução da despesa, com aumento das exportações, com o aumento da produtividade, enfim, aquelas coisas todas fáceis de dizer, bonitas de ouvir, mas difíceis (ou impossíveis?) de fazer.

Com esta lengalenga e outras do género, o sr. dr. lá convenceu 2 159 742  portugueses a votarem no seu partido e, juntamente com os seus vizinhos do rés-do-chão direito constituíram o governo da tal esperança, das tais promessas, da nunca vista justiça social, do respeito por tudo e por todos, principalmente pelos mais idosos, pensionistas, reformados, trabalhadores, etc., etc.

Pensava eu, e mal, que as gorduras do Estado seriam as despesas supérfluas, ou excessivas, como, por exemplo, serviços que não servem para nada, funcionários a mais, tipo assessor para isto e para aquilo, mais chefe de gabinete do assessor, mais secretária do chefe do gabinete e por aí adiante, mais uma frota de viaturas de alta gama, para cada ministério, mais outra para as secretarias de Estado, mais e mais para tudo o que é clientela, mais o que por aí vai por todas essas autarquias abaixo, (e acima), mais o que se consome (e o que não se poupa) por milhares de gabinetes, serviços, departamentos e afins espalhados pelos quatro cantos do país, mais os milhões em viagens, comunicações, deslocações, estadias, almoços e jantares por conta do erário público, mais o desaproveitamento de tanta gente que não produz tudo quanto pode e sabe, mais a subsídiodependência, a todos os níveis, que tão criticada foi, e é, mas que ninguém cuida de regular com justiça e eficácia, mais os ordenados chorudos que alguns iluminados têm de receber, porque os seus super neurónios assim o exigem, sob pena de ficarmos sem eles e, depois, corrermos o risco de ver os seus lugares ocupados por pessoas normais, com vencimentos normais, o que era um desprestígio para a nação, mais a racionalização de todos os circuitos de comercialização, prestação de serviços, contratações, qualquer negociação que envolva o setor público, de modo a eliminar esse mal crónico das derrapagens orçamentais e dos contratos loucos que levam a dívidas que se prolongam por décadas.

São só alguns exemplos do que eu pensava que poderia ser a gordura do Estado. Mas bem me enganei!

Afinal a gordura do Estado é mais ou menos como o colesterol. Há a chamada boa gordura, HDL, as tais lipoproteínas de alta densidade, e a má gordura, de baixa densidade, LDL.

Por aquilo que tenho ouvido e lido sobre as medidas do governo para enfrentar a crise, a parceria público-partidária , Passos-Portas, já identificou a causa de todos os males e vai atacar o veneno, com determinação e, tudo leva a crer, com todo o sucesso:

- A gordura de baixa densidade, a má gordura, a causa maior da crise nacional, a que é preciso combater até à exaustão, quiçá até à exterminação, o ldl do problema, dá pelo nome de  função pública, e o que demais for público, tipo escola pública, saúde pública.

- A gordura de alta densidade, a boa gordura, fica para depois. Até pode ser que, eliminada a má, a hdl acabe por dar jeito. Há que preservá-la, porque há sempre muita parasitagem para alimentar e com esta boa gordura à mão, não vai faltar pasto abundante.

Entre ameaças, palpites, dúvidas, afirmações e desmentidos fica uma certeza:

- Este governo revela uma total inabilidade para encontrar medidas eficazes para combater a crise e, para além de aumentar a receita com mais e mais impostos só consegue mexer na despesa com um ataque feroz ao único setor que domina com facilidade que é a função pública. Vai o subsídio de férias, mais o de natal, mais redução de salários e pensões, vai tudo o que for preciso, porque, no entender do sr. primeiro - ministro, a função pública ganha, em média, mais 15% do que o setor privado. Não é por nada, mas como não acredito em nada do que este sr. diz, seria bom que demonstrasse essa afirmação, com números e situações concretas, ( o que, aliás, não faz para nada do que afirma) para percebermos em que linguagem se exprime, porque, quando entramos no campo dos dialetos, nem tudo o que é dito deve ser interpretado como é ouvido.

 

O.C.



publicado por ouremreal às 15:36
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 14 de Outubro de 2011
"Conversa em família"


 

Depois de ouvir a conversa do primeiro-ministro a anunciar aos portugueses as linhas do orçamento de estado para 2012 não posso deixar de tirar algumas conclusões:

Primeira – Passos Coelho não tem palavra. Ouvi-lo, enquanto fazia oposição ao anterior governo, e ouvi-lo agora, leva a crer que andou a aldrabar tudo e todos, tentando (e conseguindo) convencer muitos portugueses de que tinha soluções para todos os problemas, quando a realidade mostra que, afinal, as suas soluções não passam de mais problemas em cima dos que já tínhamos.

Segunda – Passos Coelho parece-se com aqueles cobardolas, do tempo da escola, que só batiam nos mais fraquitos. Nunca nos fortes, porque tinham medo que lhes fossem ao pelo. Passos Coelho dá forte e feio na dita classe média; carrega na função pública como se esta fosse a fonte de todos os males e, por conseguinte, ter de ser o principal pagador da crise; destrói o mais que pode o que ainda sobrava do moribundo estado social; vai vender ao desbarato tudo o que do setor público puder interessar ao privado; as leis laborais vão-se transformando em leis de faz de conta; educação, saúde e segurança social já eram! E por aí adiante!

Terceira – Percebe-se muito bem por que motivo Passos Coelho dizia que estava pronto para governar com o FMI, ou lá com quem fosse! Se não fosse o memorando da troika onde é que ele ia buscar” inspiração e coragem” para estas patrióticas medidas?!

Quarta – Passos Coelho tem razão quando diz que “ é preciso mobilizar o país”. Eu também acho! Só não sei se estamos a dar o mesmo significado à palavra mobilizar…

E, por último, tanto quanto me parece, Passos Coelho e o seu governo estão a transformar-se numa séria ameaça à paz deste país.

 

O.C.



publicado por ouremreal às 01:39
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

Santana - o exemplar

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

Eleições autárquicas

O ultimato

O diabo

Os incêndios

Cristiano e o fisco espan...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds