Segunda-feira, 30 de Maio de 2011
Previsível!

Tudo como previsto!

A campanha eleitoral em curso é uma vergonha!

É suposto que as campanhas eleitorais sirvam para que os partidos políticos e os respetivos candidatos a deputados possam apresentar os seus programas de ação, anunciar as medidas que pensam apresentar para resolver os múltiplos problemas que o país enfrenta, a maneira como acham que essas medidas devem ser implementadas, os prazos e as implicações das mesmas. Era o mínimo que se esperaria. Mais ainda: que tivessem a capacidade de confrontar ideias, de uma maneira clara e civilizada, de modo a que os eleitores pudessem sair informados e com uma opinião fundamentada para decidir o seu voto. Só assim se justificaria que houvesse uma campanha eleitoral. Só assim se pode aceitar, mesmo com todas as reticências que quisermos, que se derretam milhões de euros, que boa falta fazem, neste tipo de ação.

Pois era! Era para ser, mas não foi! Nem vai ser!

Da extrema direita à extrema esquerda, nos 360 graus do espetro político nacional, dos da 1ª divisão aos da 2ª, na representação parlamentar, até aos que nem entrada têm na Assembleia da República, não se aproveita um, para amostra!

Todos aproveitam a oportunidade para dizer coisas, banalidades, lançar críticas, acusações, animar as respetivas hostes, confundir, capitalizar votos.

Nenhum tem a coragem de enumerar as medidas a que o governo fica/está obrigado, por imposição externa, muito menos diz como vai resolver cada problema e os custos que isso acarreta para todos os Portugueses.

Arruadas, almoços, jantares, feiras e mercados, beijos e abraços, bonés com pala, sem pala, e até de palha, muita demagogia, muita impreparação; de manhã diz-se que é assim, à tarde já é mais assado e à noite tanto pode ser cozido como grelhado; é conforme o auditório, a hora e o lugar;

Muita falta de consideração por um povo e por um país que precisam de gente capaz! E ser capaz, tem que passar por atributos como honestidade, competência, seriedade, solidariedade, dedicação, responsabilidade e respeito pelos outros; (para poder ser respeitado).

Provavelmente estamos a ter aquilo que merecemos! Mas não é, seguramente, aquilo de que estamos a precisar!

Como se tudo isto não bastasse, temos uma comunicação social, que, de um modo geral, não consegue, não sabe, ou não quer ser responsável, construtiva e imparcial, com as televisões na primeira linha, e que vai amplificando tudo o que de mais negativo vai acontecendo. É uma câmara, um microfone, ou ambos, em cima de cada protagonista, a apanhar o que se diz, o que se faz, quase o que se pensa, para que, a seguir, os comentadores de serviço, os opinadores, os experts que sabem sempre tudo de tudo, cada um com a sua partidarite, mais ou menos refinada, continuem, por mais não sei quantas intervenções, programas, debates, ou conversas da treta, a preencher horários, captar audiências, a sustentar este faz de conta em que vamos vivendo.

E a dívida a subir em cada minuto que passa! Porque estas duas semanas, como tantas outras semanas, não estão a ser mais do que um exercício de perder tempo e desbaratar dinheiro, que em nada contribuem para que as exportações aumentem, para que consigamos produzir mais e melhor, para que diminua o desemprego, para que as condições sociais melhorem, ou, pelo menos, não se degradem ainda mais.

E a festa promete continuar até 5 de Junho! Com esta semi-embriaguez coletiva!

Depois, no dia 5, à noite, uma parte deste coletivo, vai levar essa embriaguez ao extremo e vai festejar. Não se sabe, nem eles saberão, bem o quê! Para que no dia 6, o tal coletivo caia, definitivamente, na realidade e comece a fazer contas à vida.

E talvez acorde!

Ou será que vai continuar a achar que não tem nada a ver com o que está a acontecer e que a culpa é toda dos outros!?

 

O.C.

 



publicado por ouremreal às 13:41
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

Santana - o exemplar

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

Eleições autárquicas

O ultimato

O diabo

Os incêndios

Cristiano e o fisco espan...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds