Domingo, 28 de Novembro de 2010
A mão divina

O sr Alberto João já tem idade para ser “gente”!

Mas teima em ser useiro e vezeiro na arte da alarvice!

Desta vez meteu a mão de Deus na sorte que sorriu aos seus conterrâneos com o euromilhões, afirmando que foi para os compensar pelo roubo que os socialistas têm feito à Madeira.

Realmente, se não tivesse ouvido não acreditaria que alguém fosse capaz de engendrar uma bacorada destas.

Não disse qual foi a mão divina que deu os milhões aos madeirenses, mas, certamente, que não foi a mesma que, há uns tempos atrás, lançou as tempestades que tiraram a vida a umas dezenas deles e destruíram meia ilha.

Pela conversa deste sr, tudo leva a crer que a primeira seria a mão direita e a segunda a mão esquerda; esta será, digo eu, mais dada a desgraças no imaginário deste ilhéu.

 

O.C.



publicado por ouremreal às 17:05
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 21 de Novembro de 2010
"Paz sim", "N.A.T.O. talvez"!

Ontem cruzei com alguns apoiantes do “Paz sim, N.A.T.O. não” que, cartaz debaixo do braço, iam uns, vinham outros, certamente para dar força à contestação contra a cimeira que parou e incomodou meia Lisboa durante dois dias.

Aquele vaivém deixou-me a ideia de que havia alguma escala de serviço, chamemos-lhe isso, de modo a que houvesse renovação dos intervenientes e a manutenção, em contínuo, de uma atitude hostil que se pretendia activa e bem visível, debaixo do olhar atento do helicóptero que pairou, todo o tempo, sobre a Av. da Liberdade, ora indo até ao Marquês, ora descendo até aos Restauradores.

Não sei se os ditos portadores estavam conscientemente solidários com os dizeres dos cartazes, se estavam convictos do que é a N.A.T.O. e para que serve, ou se estavam em cena só porque sim.

Não sei, nem é importante que saiba. Para o caso, cada um saberá de si! Ou assim devia ser! Pelo que me toca e porque a proximidade de ontem com uma Lisboa diferente me pôs a refletir sobre o assunto, (para além do que é normal), aqui fica uma opinião que valerá tanto como qualquer outra, ou que não terá mesmo importância nenhuma:

- A primeira ideia que fica é que não havia necessidade de tanto aparato, tanto incómodo para os lisboetas, tanta ostentação, para, afinal, fazer o que já estava feito; tantos chefes de estado e de governo, mais secretários de estado, mais presidentes disto e daquilo, mais comitivas a perder de vista, quando uma “dúzia” de pessoas, devidamente mandatadas, teriam feito outro tanto.

- A segunda é que o eventual prestígio para Portugal, com todas estas ilustres personalidades, com todo o sucesso que esta organização possa ter tido, com os rasgados elogios que se ouviram, não resolve os nossos problemas mais urgentes, antes se corre o risco de que os ajudem a agravar. Porque as festas têm custos…

- Em terceiro lugar e não sendo incondicional apoiante do “Paz sim, N.A.T.O. não”, considero-me mais do “Paz sim, N.A.T.O. talvez”.

E porquê?

- Pela simples razão de que de nada adianta sermos “pacifistas” se outros puderem não o ser. E ninguém é ingénuo ao ponto de pensar que o nosso pacifismo será capaz de “comover” os que só têm como arma a violência. E estes existem, independentemente das causas que os levem a agir assim!

- E porque serei pelo “sim” enquanto a N.A.T.O. for uma organização de defesa dos países que a integram, no justo equilíbrio dos seus interesses e no respeito pelos interesses dos outros;

- Serei pelo “sim” ainda que a sua existência seja útil, apenas, como força dissuasora;

- E porque serei pelo “não”, enquanto a organização resvalar para a tutela dos mais poderosos e proceder de acordo com os interesses desses, comprometendo equilíbrios locais, regionais ou mundiais;

- Serei pelo “não” se se passar à teoria futebolística de que a melhor defesa é o ataque, sem que isso seja devidamente comprovado e aceite, depois de devidamente avaliados os riscos de tal procedimento; a todos os níveis!

Ainda hoje não sei se Bin Laden existe ou não; se está no Afeganistão ou em Marte; se valeu a pena ter destruído o Iraque, nem para que serviram as mortes todas que vêm acontecendo por todo o lado.

Também sei que democracia e guerra são “coisas” mais ou menos incompatíveis…

 

 

O.C.



publicado por ouremreal às 21:04
link do post | comentar | favorito
|

Um bom negócio(?)

Afinal, acaba por ser um bom negócio!?

Os blindados para a PSP deveriam ter chegado a tempo da cimeira da N.A.T.O. É o que se diz!

Mas não chegaram. Parece que ainda estão em Espanha. É o que se diz!

Pelos vistos, não fizeram falta nenhuma!

Por um lado, não haveria ameaça que justificasse mais seis blindados, porque o desequilíbrio de forças era tal que mal parecia meter blindados no caso.

Por outro lado, os profissionais da polícia mostraram que fizeram muito melhor o trabalho de casa do que os profissionais da agitação que pareceram demasiado amadores para justificar tanto alarido.

Também o facto de os tais blindados não terem chegado a tempo permite ao Estado ser indemnizado numa terça parte do custo dos mesmos, ou seja, pagar menos 33,3% dos tais 1,2 milhões de euros. É o que se diz!

E ainda: por terem ficado “retidos” em Espanha, impediram que forças de “bloqueio” , através dos seus braços sindicais, muito ativos nestas coisas dos transportes, pudessem cantar vitória com o impedimento do desembarque atempado dos ditos blindados. É o que se diz!

 

Resumindo:

 

Se o que se diz corresponder à verdade,

 

- Os mesmos blindados e mais baratos;

- O problema da (in)segurança resolvido sem dificuldades de maior e sem blindados;

- E uma “ameaça” sindical abortada.

 

Mas...

 

E na medida em que nem tudo se resumirá, simplisticamente falando, às três conclusões citadas, fica sempre uma dúvida: afinal os tais seis blindados, que custam a módica quantia de um milhão e duzentos mil euros (uma insignificância para um país teso que nem um carapau seco), servem para quê?

Ou melhor, estão a fazer falta para fazer, exatamente, o quê? E têm que ser comprados mesmo agora?

É que para se concluir que o negócio foi / será(?) mesmo bom, não há nada como pesarmos bem esta "coisa" do custo / benefício. É o que se diz!

 

 

O.C.



publicado por ouremreal às 18:21
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010
Uma delícia!

Está a decorrer, neste momento, na RTP 1, um debate entre candidatos a bastonário da ordem dos advogados. É uma delícia ouvi-los!

E depois criticam os políticos ...!!!

Já agora, seria ótimo que fizessem debates deste género com juizes, procuradores e demais intervenientes judiciários!

Para que ficássemos a conhecer, minimamente que fosse, toda esta gente que nos "julga".

 

O.C.



publicado por ouremreal às 23:03
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 14 de Novembro de 2010
Desperdício

O sr. Presidente da República, candidato a Presidente da mesma República, disse que não vai colar um único cartaz na campanha que aí está, embora ainda não tenha começado.

Tudo por causa da crise e por respeito aos que dela mais sofrem as nefastas consequências.

Confesso que não sei como é que hei-de entender aquela conversa:

- Se quis dizer que ele próprio não vai colar cartazes, escusava de o dizer, porque é óbvio; alguém o fará por ele.

- Se quis dizer que o dinheiro que se gasta em cartazes é mal empregado, podia ter dito em que é que vai gastar os outros milhões para sabermos se são mais bem empregados do que nos cartazes.

- Se quis penitenciar-se por eventuais desperdícios anteriores, acho que já vai tarde; os seus mandatos de primeiro-ministro não nos tiraram da cauda do pelotão; a sua cooperação estratégica, com os seus “importantíssimos” apelos, vetos e alertas, enquanto Presidente da República, como fez questão de nos recordar, não evitou o estado a que chegámos; nem era suposto que o evitasse.

- Se quis impressionar, ao dar uma de poupadinho…então ficou parecido com o sr. doutor de Santa Comba Dão;

E não havia necessidade! Afinal, as tais poupanças deram no que deram!

Em boa verdade, o desperdício também é uma das causas da situação em que nos encontramos. Mas apenas uma e nem será a mais importante. Daí que o investimento que foi feito no tema pelo sr. Presidente apenas poderá ser entendido como mais um apelo à necessidade que alguns portugueses têm de poupar.

Só que, uns não têm nada para poupar; outros não precisam, porque têm que chegue e muitos pensam que o que têm nunca se acaba; outros, ainda, são cegos e surdos e, como tal, indiferentes ao que se passa à volta.

Se a coisa correr mal, logo se verá! Alguém os há-de aturar! Como de costume!

Em conclusão: A poupança do sr Presidente, não passou, afinal, de mais um desperdício.

De tempo, claro!

 

 

O.C.



publicado por ouremreal às 11:29
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 13 de Novembro de 2010
Será do IVA?

Como é que isto é possível!?

Uma dúzia de castanhas assadas, dois euros! Ou seja: 400$00, mais coisa, menos coisa!

O que dá uns 33$33 cada castanha.

Uma castanhita por 33 paus …!!!???

Acredito que os produtores tenham uma trabalheira danada para colher as castanhas!

Que os intermediários se estafem ainda mais para ganhar com o negócio!

Que o carvão para as assar esteja pelas horas da morte!

E que os/as vendedores/as precisem de ganhar ainda muito mais do que aquilo que ganharão com o que vendem!

Mas… 33 escudos por uma castanhita … até tira o apetite!

Também é verdade que ninguém me obriga a comprá-las…

E se tiver que optar entre um papo-seco e uma castanha… vou pelo papo-seco.

Até lá…vou esquecendo a crise e vou aumentar os esforços para não estar, constantemente, a “cambiar” euros para escudos. Porque foi esta mania que me fez descobrir que ando a pagar “bicas” a 200$00 cada uma (um crime!) e água de garrafa mais cara do que a gasolina do carro ( um crime agravado!!).

E o raio do ordenado em vez de aumentar, está a diminuir.

E depois queixam-se que o stress dá cabo da saúde!!!

Ah, pois, só pode dar!!! Da saúde e da carteira!!!

Ou será que é do IVA?

 

 

O.C.



publicado por ouremreal às 23:04
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

Santana - o exemplar

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

Eleições autárquicas

O ultimato

O diabo

Os incêndios

Cristiano e o fisco espan...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds