Domingo, 14 de Março de 2010
Só duas notas!

Destaque para duas notas, neste fim de tarde de um domingo cheio de sol, como que a anunciar a primavera que aí vem e o fim deste inverno do nosso descontentamento:

Primeira :

A versão on line da revista Fama diz, em título de letras gordas, com foto a acompanhar,  "Mário Crespo e Moura Guedes juntos pela liberdade".

No pressuposto de que se trataria de qualquer coisa séria, de liberdade propriamente dita, abri para aceder ao conteúdo. Afinal os dois jornalistas, "alegadamente perseguidos pelo Governo", segundo a notícia, encontraram-se, cumprimentaram-se, efusivamente, com beijos e abraços, na sessão de lançamento do livro que o primeiro escreveu intitulado - a última crónica. 

Só por isto, por este acto de extrema heroicidade em defesa da liberdade, em que puseram em risco as suas próprias vidas, para defenderem, para nos defenderem a todos da terrível ameaça que paira sobre nós, proponho, que estes dois herois nacionais sejam condecorados no próximo dia 10 de Junho.

Segunda:

O congresso do PSD acaba de aprovar uma norma estatutária que prevê a punição disciplinar para qualquer militante que, nos 60 dias anteriores a um acto eleitoral, faça críticas desfavoráveis ao líder do partido. Naturalmente que daqui não vem mal nenhum ao mundo, é uma questão interna e só é militante quem quer. É um problema deles, como se costuma dizer!

O que é lamentável é que uma lei desta natureza seja defendida e saudada precisamente por quem está sempre a falar em asfixia democrática.

É caso para perguntar: há alguma seriedade nisto?

 

O.C. 



publicado por ouremreal às 22:23
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Março de 2010
A idade da reforma

Não comungo, de modo nenhum, com a opinião dos que dizem que a função pública é a fonte de todos os males e causa para o despesismo do Estado e que os seus funcionários estão cheios de privilégios, que não trabalham quanto deviam, que isto, que aquilo, enfim aquelas coisas que se dizem, porque uns falam sem saberem o que dizem e outros falam porque lhes convém que se pense que assim é.

Esta falsidade serviu, e continua a servir, ao(s) governo(s) para "justificarem" a utilização da função pública como peça estratégica de planos, projectos, orçamentos e tudo o mais em que seja preciso mostrar que se está a cortar na despesa.

É o tira daqui e põe acolá, é o corta aqui e ali, é o baixa aqui e mais acolá, é o entra 1 por cada dois que saem, é o diz uma coisa hoje e faz outra amanhâ, congela salário, altera carreira, como se as pessoas não existissem, como se os tais funcionários fossem objectos de usar e deitar fora, sem vida, sem família.

E ainda há quem tenha o desplante de chamar a isto reestruturação...

É o Estado a mostrar, enquanto patrão, como não se devem tratar os empregados...

Agora é o PEC! Abençoado PEC!

Veio mesmo  a calhar para mexer na idade da reforma dos funcionários!

E o que estava previsto e prometido para 2015, a convergência dos 62 para os 65 anos, vai, ao que parece, começar já este ano, para estar concluído em 2013, ou seja:

2010 - Aposentação com 62 anos e 9 meses;

2011 - 63 anos e 3 meses;

2012 - 64 anos;

2013 - 65 anos.

A ser assim, uma vez mais se toma uma decisão que não tem em conta as perspectivas e os interesses das pessoas e não se anunciam, previa e seriamente, que objectivos se pretendem atingir, e quais as consequências e implicações futuras.

Para que toda a gente perceba, a começar pelos visados, que isto vale a pena e não se fique com a sensação de que se trata de medidas avulsas, de circunstância, sem um planeamento sério!

Pessoalmente, acho que o principal factor determinante para se adquirir o direito à reforma deve ser o tempo de serviço prestado com os respectivos descontos para o sistema de segurança social e não a idade.

É certo que, na actual conjuntura, dificilmente se conseguirão 37 ou 38 anos de serviço, pior ainda 40, antes dos 65 anos de idade; mas, uma vez completado o tempo exigido, não faz sentido ser obrigado a continuar se a idade ainda não estiver atingida.

E há outro aspecto a considerar e que é preciso ponderar para que se avance com estas decisões, como, por exemplo, o grau de exigência e as especificidades de cada profissão; e estou só no âmbito da função pública. Admito, perfeitamente, que aos 60 e poucos anos um médico se sinta plenamente à vontade perante o seu doente, no seu consultório; um funcionário, numa repartição, na sua secretária, a tratar de um processo qualquer, ou mesmo a atender o público; já duvido que, com a mesma idade, um professor se sinta com o mesmo à vontade perante uma turma de 20 alunos. Não pelas suas capacidades, mas pela aceitação por alunos, pais de alunos, principalmente; como duvido que um agente das forças de segurança se sinta à vontade no cumprimento de certas missões.

Por isso, quando se generaliza, a coberto de uma pseudo moral de não haver "filhos" e "enteados" acaba por se cair na asneira, na injustiça, e, pior ainda, quando se sabe que assim é e se continua a afirmar o contrário, acaba-se por cair no ridículo e na hipocrisia.

 

O.C.

 



publicado por ouremreal às 13:27
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

Santana - o exemplar

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

Eleições autárquicas

O ultimato

O diabo

Os incêndios

Cristiano e o fisco espan...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds