Segunda-feira, 30 de Outubro de 2017
Santana - o exemplar

Citando Pedro Santana Lopes, candidato à liderança do PSD: “Se ganhar, como espero, o PPD/PSD terá um líder que entende que o Presidente da República não pode ser oposição aos governos. A oposição tem de se valer por si própria, não pode querer ganhar com a ajuda do Presidente da República”, frisou, prometendo “colaboração exemplar” ao chefe do Estado. Santana Lopes ainda acrescentou: "Admito que [o Governo] possa não chegar ao fim da legislatura. Esta frente de esquerda de socialistas, comunistas e extrema-esquerda é inédita na Europa e é má para Portugal”.

Pegando nestas palavras e noutras que já proferiu elogiando o alto sentido patriótico de Passos Coelho pelas medidas que tomou durante o seu governo (2011-2015) ficamos esclarecidos de que:

- Santana Lopes está a jogar na antecipação. Antes que digam que está a ser ajudado pela postura recentemente assumida pelo PR para com o governo, vem dizer que, na oposição, não precisará daquela ajuda. Não será alheio a esta declaração o facto de se dizer, com insistência, que Santana é o preferido de Marcelo para dirigir o partido a que ambos pertencem, pensando sempre numa alternativa de governo. Daí a necessidade de vir marcar, ou tentar marcar, as necessárias (mesmo que aparentes) distâncias.

- Depois, a promessa de "colaboração exemplar"com o Presidente. Santana sabe muito bem que tudo o que, neste momento, se possa fazer que desagrade ao Presidente, ou que não seja feito, exatamente, como ele acha que deve ser, será, imediatamente, transformado pela comunicação social e pelos agentes da oposição numa afronta. Como não vivemos num sistema presidencialista, onde, de facto, quem governa é o Presidente e o Primeiro-Ministro obedece, fica-se na dúvida se Santana está a pensar nessa modalidade ou se está, apenas, e por oportunismo, a encostar-se à figura presidencial.

- Quanto ao governo não chegar ao fim da legislatura...é bem possível que isso aconteça! Não é por falta de esforços nesse sentido que deixará de ser uma realidade. Não é por falta de "factos" que vão acontecendo sem que se percebam (ou talvez percebam) as causas, que isso deixará de acontecer. Ao roubo das peças de Santa Margarida, dos paiois de Tancos, aos incêndios de junho, aos de outubro, à polémica da reforma da floresta, dos donativos para as vítimas, das indemnizações e, provavelmente das inundações que hão de vir, porque a seca já aí está, infelizmente, tudo servirá para atacar o governo e dar protagonismo a quem, não tendo a missão de governar, se acha no direito de ditar sentenças e fazer exigências a quem governa. Os seguidores gostam, aplaudem e esperam tirar proveito disso.

- Por fim: a atual solução governativa é inédita na Europa; logo, a Europa que a direita controla não gosta. É normal! O contrário é que seria de espantar! E é má para Portugal, diz Santana! Só não explica porquê! Se é porque a direita não gosta… aqui, terá que ter paciência! Se é porque os Portugueses não gostam e, como nem todos os Portugueses são de direita...terá que aguardar pelas próximas eleições para que eles se manifestem. Só não sabemos quando!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 21:29
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 15 de Outubro de 2017
Terrorismo

Não sei qual é a moderna definição para terrorismo! A que interiorizei e se usava nos inícios da década de 60 do século passado era mais ou menos assim: “prática de atos violentos contra pessoas, singulares ou coletivas, contra bens, ou instituições, públicos ou privados, com a finalidade de causar danos, destruição e morte que coloquem as pessoas numa situação de medo, fragilidade e insegurança. Sempre com um objetivo bem definido: conseguir com violência e ações furtivas obter ganhos, alterações, políticas ou não, que não se conseguem pelos chamados meios convencionais”.

É nesta definição, eventualmente desatualizada, que enquadro a vaga de incêndios que há meses vem flagelando o nosso país e suas gentes, destruindo património e vidas (o bem mais precioso de todos e que não tem preço), delapidando milhões de euros dos orçamentos e que parece não ter fim.

É inegável que se trata de ações violentas! Que não escolhem destinatário! Vai tudo a eito! Que causam destruição, medo e morte e tornam ainda mais pobres todos os que, de um modo geral, tinham nos bens perdidos o seu meio de subsistência, ou uma boa parte dele!

Como não acredito nos acendimentos espontâneos, nomeadamente durante a noite, como vem acontecendo, e mesmo não percebendo grande coisa do assunto, julgo que projeções de fogo a quilómetros de distância, não sendo impossíveis, não serão muito prováveis, sou levado a crer que muito do que está a acontecer tem mão criminosa. Logo, no meu entendimento, é terrorismo! E, sendo terrorismo, tem que ser combatido como tal! Claro que não sei nada como se combate este tipo de terrorismo! Cabe a quem de direito (e dever) tratar do assunto! Podemos argumentar que a maioria das matas não está limpa. É verdade! Podemos argumentar que o interior do país está cada vez com menos população e, como consequência, os terrenos cada vez mais desprezados. Também é verdade! Podemos argumentar que a grande parte das pessoas proprietárias de terrenos, com ou sem floresta, não tira deles qualquer rendimento e terá dificuldade em pagar impostos e despesas de conservação. Continua a ser verdade! Podemos falar na “guerra” dos eucaliptos. Como não sou fundamentalista contra o eucalipto, nem nunca vi nenhum eucalipto auto-incendiar-se, acho que há lugar para eucaliptos e outras espécies, desde que, devidamente ordenados! Mas estas circunstâncias, só por si, não fazem fogos! Alimentam-nos, é certo! Mas algo, ou alguém terá que os fazer deflagrar! E esta parece-me ser uma parte importante do problema que urge resolver! E já ontem era tarde!

Há incendiários identificados? Pois bem! É preciso saber o que os motivou! São pessoas doentes? Têm que ser devidamente tratadas! Não são doentes? Têm que ter, igualmente, o tratamento adequado! O que não podem é, uns e outros, dispor de liberdade para continuar a cometer estes “crimes”.

Há pessoas ou entidades a quem interessam os incêndios? Provavelmente, sim! É preciso acompanhar muito de perto a atividade destas pessoas ou entidades para apurar se e como recolheram algum benefício de todas estas ocorrências.

Depois…ou antes de tudo: a prevenção!

Primeiro - Parece claro que não é possível, de um dia para o outro, tão pouco de um ano para o outro, mudar a configuração da nossa floresta, mas é possível encontrar regras que, de forma gradual e tão rápido quanto possível, permitam atingir esse fim. Ao nível de cada localidade, de cada freguesia, de cada concelho. Ouvindo as populações para saber das suas preocupações e expectativas e avaliar das potencialidades locais como ponto de partida para uma futura adaptação dos planos diretores municipais, onde o ordenamento territorial e, especialmente, o ordenamento florestal, deveriam ter lugar de destaque. Para que a futura legislação não seja feita num qualquer gabinete, com recurso a régua e esquadro, que seria a pior maneira de querer resolver este problema.

Segundo – Encontrar formas de manter limpos os terrenos, em geral, as zonas florestais, em particular, reflorestar o que tem que ser reflorestado, com ou sem intervenção do Estado, sempre dentro daquele princípio que tudo se deve processar dentro do equilíbrio de direitos, deveres e capacidades de cada um.

Terceiro – Fazer cumprir a legislação que já existe, nomeadamente no que respeita a zonas limpas em redor das construções/habitações; zonas desarborizadas nas laterais das vias de circulação; manter zonas desarborizadas ao longo da floresta que possam servir de corta-fogo e circulação, se necessário; criação de planos de emergência a nível de cada localidade/freguesia/concelho com o envolvimento das respetivas populações, onde cada um saiba o que tem a fazer em caso de emergência e haja um comando bem identificado que possa coordenar, localmente, dentro da hierarquia que está criada – a Proteção Civil – que, às vezes, parece estar distante e pouco conhecedora das especificidades locais.

Quarto – Implementar os pontos de vigilância estratégicos que permitam, tanto quanto possível, detetar o início de cada ignição e comunicá-lo, de imediato, a quem de direito. Complementar esta vigilância com ações de patrulhamento terrestre, se necessário com recurso a forças militares ou militarizadas e de vigilância aérea, com meios privados ou das forças armadas.

 

O.C.



publicado por ouremreal às 23:51
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 8 de Outubro de 2017
Autárquicas 2017 - resultados

As eleições autárquicas do passado dia 1 de outubro, no concelho de Ourém, ditaram os seguintes resultados:

Assembleia  Municipal :

Coligação PSD/CDS – 11272 votos;

Coligação PCP/PEV – 994 votos;

MOVE (independente) – 2397 votos;

Partido Socialista – 7576 votos.

Em consequência, a coligação PSD/CDS elegeu 11 deputados municipais, o Partido Socialista 8 e o movimento independente MOVE 2.

Câmara Municipal:

Coligação PSD/CDS – 11179 votos;

Coligação PCP/PEV – 769 votos;

MOVE (independente) – 2198 votos;

Partido Socialista – 8146 votos.

A coligação PSD/CDS conquistou 4 dos 7 lugares, incluindo a presidência da C.M. e o Partido Socialista 3. O movimento independente – MOVE – perdeu o vereador que conquistara em 2013.

Assembleias de Freguesia:

A coligação PSD/CDS venceu em 10 das 13 freguesias e uniões de freguesias do concelho com um total de 12297 votos;

A coligação PCP/PEV contabilizou 515 votos nas 8 freguesias a que concorreu;

O movimento independente – MOVE – obteve 2496 votos;

O Partido Socialista venceu em 3 das 12 freguesias a que concorreu (não apresentou lista na união de freguesias de Matas e Cercal) com um total de 6750 votos. Nesta união de freguesias o movimento independente MUMEC obteve 373 votos.

Estavam inscritos 42224 eleitores, tendo votado 23665 para a A.M. e para a C.M. e 23669 para as A. de Freguesia, donde resultou uma abstenção (aprox.) de 43,9%.

 

O.C.



publicado por ouremreal às 23:33
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
Autárquicas 2017

Noite de sexta-feira, 22.09.17, 21 horas, Escola Profissional de Ourém, debate promovido pelo Jornal de Leiria sobre as eleições autárquicas do próximo dia 1 de Outubro, entre os candidatos à Câmara Municipal de Ourém, em representação das quatro forças políticas concorrentes: Movimento Independente (MOVE); Coligação PCP/PEV; Partido Socialista e Coligação PSD/CDS.

Sala cheia e muita expectativa. O formato usado constou de um conjunto de perguntas iguais para todos os concorrentes e sem intervenção do público. Os temas foram diversos, mas a maior incidência centrou-se no saneamento básico, vias de comunicação, turismo, os pólos de desenvolvimento do concelho – Fátima e Ourém (a sede do concelho), a desertificação do interior e norte do concelho, as zonas industriais e o PDM, a relação entre o Santuário de Fátima e o Município e, como não podia deixar de ser, a eventual política de alianças, caso nenhum dos concorrentes obtenha maioria absoluta.

Primeira impressão: grande coincidência entre os pontos de vista e propostas de todos os concorrentes, o que evidencia que os respetivos programas eleitorais não diferem muito e que não haverá grande originalidade de qualquer das partes.

Em segundo lugar: Uma sessão muito pobre no que respeita ao conteúdo, porque a jornalista que a conduziu não explorou os pontos em que os candidatos adiantaram propostas específicas e que poderiam fazer alguma diferença. Ninguém abordou o problema central que se chama orçamento e, sem esse, sem a necessária cabimentação, por mais que se possa prometer e ter boas intenções a obra não sairá.

A ideia de requalificar as zonas industriais parece boa, não há dúvida, todos o reconhecem, mas o que pensaram, concretamente, para cada uma delas? Com base em que estudos? Que viabilidade? Ninguém o disse, porque também ninguém perguntou.

Melhorar as vias de comunicação é uma preocupação geral e justifica-se, naturalmente, para dar vida aos possíveis pólos de desenvolvimento, atrair pessoas e contribuir para a sua fixação. Mas é necessário criar condições, a começar pelo acesso a habitação e emprego. E isso não acontece por magia! A inovação veio do representante da coligação PSD/CDS ao propor um incentivo à natalidade. Ficou-se pelo anúncio, porque a moderadora não lhe perguntou o que isso era! Foi pena! Falou-se muito na estrada 356 que passa pela sede do concelho e liga à parte norte, mas tratando-se de uma via com grande parte do percurso em zona urbana, além de dificultar o alargamento, vai tornar o percurso lento, por razões de segurança. Este aspeto não foi clarificado.

“Bateu-se” muito na av. Nuno Álvares Pereira, central, estruturante, na cidade de Ourém. Afinal, em que medida esta avenida dificulta ou favorece o desenvolvimento da sede do concelho? Pergunta que não foi feita! Logo, ficámos sem saber! Se não pode ser alargada, sob pena de ficar sem passeios, ou retiram os estacionamentos laterais para alargar a via de circulação ou fica tudo na mesma; só um piso novo é melhor, mas não resolve o problema; uma circular exterior resolverá o problema do trânsito que passa, mas será isso que se pretende? Ou queremos que mais pessoas venham e parem na cidade? Mas têm que se criar razões para isso! Não se ouviu nenhum dos candidatos falar sobre os reais problemas que justificam o baixo desenvolvimento que a carateriza. Também não lhes foi perguntado! Se não existissem as três grandes superfícies comerciais que existem, longe do centro, Ourém estaria tão “parada” como está? É só uma pergunta que se deixa! Poderia ter sido feita aos candidatos, mas não foi! Melhorar a circulação interna, alterando o sentido de trânsito de algumas vias, como refere o PSD/CDS? Parece bem, mas pouco resolve se apenas se puder circular e não parar!

Curioso foi ver a postura de cada um dos candidatos no que respeita ao relacionamento institucional entre o Santuário de Fátima e a Autarquia Municipal, a pretexto de um diferendo que, num passado recente, opôs as duas entidades, motivado pela reivindicação do Santuário pela posse de um espaço, na cidade de Fátima, que a Câmara Municipal considerava público e geria como tal. Subserviência foi o que se percebeu da intervenção do representante do MOVE, para quem o Santuário de Fátima é uma entidade “intocável”; do PSD/CDS para quem  o assunto que pôs frente a frente Santuário e Município, consigo na Câmara, nunca teria sido falado na praça pública; do PCP/PEV que atribui ao Santuário uma importância tal que o Município deveria promover a celebração de uma “concordata” com aquela entidade; da candidata do PS a reafirmar a importância do santuário como parceiro privilegiado no desenvolvimento do concelho e que o relacionamento atual é perfeitamente normal, depois da decisão do tribunal que deu razão ao Santuário na questão do terreno que motivou o litígio, dando o exemplo do grande empenho e colaboração do Presidente Paulo Fonseca na visita do Papa Francisco no último 13 de maio lembrando, ainda, que foi o santuário que acabou por trazer o assunto para a praça pública ao mover uma acão judicial contra o Município. Recordou um ofício do Santuário, datado de 2007, a reivindicar o terreno a que o executivo municipal, então liderado pelo PSD, não deu resposta; e um segundo ofício, já em 2010, durante a liderança do PS na Câmara a que se seguiu todo o processo no tribunal. Aqui regista-se a arrogância do candidato do PSD/CDS que se insurgiu contra a divulgação daquele ofício de 2007, afirmando que a candidata do PS estava a divulgar um documento interno e que nem sequer era vereadora; esqueceu que a candidata é membro da Assembleia Municipal há oito anos e que conhece bem os assuntos municipais, para além de também ter esquecido que as atas da Câmara Municipal são documentos públicos aos quais qualquer cidadão poderá aceder.

Quanto à eventual política de alianças…PS e PSD/CDS esperam cada um deles vencer sem precisar de alianças; os outros MOVE e PCP/PEV também não disseram que vão perder e depois dos resultados logo se verá.

O minuto final dado a cada um foi o enunciar de boas intenções, o que é sempre bom de ouvir, mas que leva aqueles que não têm memória curta a serem tentados a comparar passado e presente e a retirar as consequentes ilações: há os que fazem, são coerentes, cumprem e puxam o desenvolvimento do concelho e há os que muito apregoam e fazem muito menos preferindo gerir em função de interesses de curto prazo, naquele monotonia que se viveu nos trinta anos que precederam 2009!

Até ao dia 1 de Outubro.



publicado por ouremreal às 16:02
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
Os incêndios e os donativos

Onde pára o dinheiro angariado e destinado às vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande?

É a pergunta que se vai ouvindo, com indignação de muitos, dúvidas de outros, com comentários diversos, culpando estes e aqueles, principalmente o Governo, primeiro pelos incêndios, ou porque não foram adotadas as medidas preventivas adequadas, ou porque a estratégia não foi eficiente, ou porque as comunicações falharam, ou porque os bombeiros não estiveram em todo o lado a tempo e horas, ou porque a Proteção Civil falhou, ou porque não existe ordenamento florestal, ou porque uns querem eucaliptos e outros não e, claro está, agora, depois de tudo queimado, porque o dinheiro tarda em chegar a quem dele precisa.  

Segundo vi publicado e sem ter a certeza de que os números sejam, rigorosamente, assim (fala-se numa verba a rondar os 14 milhões), passo a enumerar os detentores dos donativos, os fiéis guardadores dos milhões angariados:

 O Estado criou o fundo REVITA com a finalidade de coordenar os diferentes fundos, mas, afinal, apenas administra 3 milhões de euros, provenientes do Millenio BCP, Santander Totta, Caixa Agrícola, Governo de Timor-Leste e Fundação Agha Khan.

A maior parte do dinheiro ficou sob a alçada, direta ou indireta, da União das Misericórdias Portuguesas:

5,3 milhões de euros depositados numa conta do Montepio Geral, provenientes do concerto “juntos por todos”, 1 milhão da Fundação Calouste Gulbenkian e 2,65 milhões provenientes da C.G. de depósitos;

1,7 milhões geridos pela Cáritas Portuguesa, provenientes de fundos próprios e donativos das paróquias, mais 200 mil euros provenientes do Novo Banco.

 A Câmara Municipal de Pedrógão Grande recebeu 1,14 milhões provenientes do BPI e do banco La Caixa;

A C.G.de Depósitos entregou ao Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Pedrógão Grande a quantia de 135 mil euros proveniente da linha solidária da RTP.

A primeira questão que se põe é: por que motivo os donativos não foram canalizados para o fundo criado pelo Estado?

Segunda questão: as autarquias locais, Câmaras e Juntas de Freguesia, Segurança Social e outros organismos locais não eram competentes para fazer a gestão desse dinheiro, em colaboração e sob a supervisão dos membros do Governo com responsabilidades nestes assuntos?

Terceira questão: por que motivo a C.G.de Depósitos e a RTP não entregaram o dinheiro ao fundo criado pelo Estado?

Não faltarão opiniões e respostas para cada uma delas.

Para a primeira, parece óbvio que, muito mais do que não confiarem na gestão do Estado, terá estado a vontade de protagonismo e o poder decidir como aplicar o dinheiro; que o pudessem fazer com os fundos próprios ainda se compreenderia; com o dinheiro dos outros, nunca! Quanto à segunda, depois de definida a estratégia global para os apoios, deveriam ser os organismos de proximidade a fazer a gestão, devidamente acompanhada, naturalmente! Quanto à terceira: Na C.G. de Depósitos o respetivo presidente deveria ser obrigado a vir, publicamente, justificar o procedimento. A menos que aconteça como acontece com o governador do Banco de Portugal – manda mais que o governo! No que respeita à RTP, o argumento que já vi escrito por aí de que o facto do Provedor da Misericórdia de Pedrógão Grande ser o candidato do PSD à C.M. nas próximas autárquicas e o Presidente do Conselho de Administração da RTP ser um ex-deputado do mesmo partido não pode ter qualquer consistência. Este sr. deveria ser obrigado a explicar, publicamente, o procedimento.

Para terminar:

Importa-me pouco quem tem o dinheiro. Importa-me muito mais saber como está a ser gasto. As entidades que detêm os fundos deveriam ser obrigadas a prestar contas, periódica e publicamente, independentemente de as estarem (ou não) a prestar a algum organismo. É preciso saber como está a ser gasto o dinheiro e como estão (ou não estão) a ser resolvidos os problemas das pessoas – afinal o mais importante disto tudo!



publicado por ouremreal às 22:51
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Agosto de 2017
Eleições autárquicas

Quem pensa (se é que alguém se atreve a pensar isso) que a política é um mundo de transparência, de lisura, de respeito pelos outros, onde a verdade é palavra sagrada e a honradez, a honestidade e o compromisso são invioláveis corre o risco de se enganar. Porque, de facto, há sempre três hipóteses: sim, não e talvez. E o que faz a diferença entre estas três hipóteses está, muito simplesmente, nos protagonistas, não só na sua competência, nas suas qualidades pessoais e da equipa que o rodeia, mas também, e principalmente, na ideia que se formula sobre cada um e na consequente confiança que nele se deposita. Por razões objetivas ou subjetivas. Por simpatia, por aquilo que fez ou deixou de fazer, por aquilo que diz que vai fazer, mesmo sem saber se pode ou não fazê-lo, por ideologia, por espírito de grupo ou, simplesmente, por tradição. E é na procura da solução que cada um acha a melhor que se disputam eleições e os escolhidos serão sempre os melhores, mesmo que, de facto, o não sejam.

As eleições autárquicas de 1 de Outubro próximo, no concelho de Ourém, têm uma caraterística muito especial, porque se verifica uma situação nunca antes vista: por decisão do tribunal e depois da coligação PSD/CDS ter requerido a impugnação da candidatura do cabeça de lista à Câmara Municipal pelo Partido Socialista, o ainda Presidente Paulo Fonseca não pode concorrer a novo mandato. O motivo nada tem a ver com a sua atuação no cargo de Presidente, que o é há oito anos, mas sim com uma situação antiga, anterior á sua condição de autarca, que diz respeito a uma empresa de que foi sócio e onde os negócios correram mal e o facto de ter dado o seu aval a determinados compromissos o levaram à condição de insolvente.

É assim que uma circunstância que nada tem a ver com o problema autárquico pode, de um momento para o outro, mudar todo o cenário do próximo ato eleitoral neste concelho. Enquanto que o cabeça de lista daquela coligação, ainda vereador da Câmara Municipal, acusado de corrupção, foi a julgamento pelo tribunal de Santarém, viu o seu problema resolvido com absolvição e não tem qualquer obstáculo à sua candidatura autárquica.

É caso para nos questionarmos: afinal, o que é que, pelo menos aparentemente, pode ser mais importante, ou mais prejudicial, para a gestão do Município: um Presidente que tem que deixar de o ser por motivos alheios ao desempenho do seu cargo, ou um vereador que foi julgado por corrupção, mas que, ao ser absolvido, pode continuar a sê-lo, ou, eventualmente, chegar a Presidente?

E que leis são estas e que decisores temos que parecem ser tão rigorosos nuns casos e tão benevolentes noutros? Ou será que toda esta discrepância é, apenas, aparente e a nossa ignorância ou má informação é que nos levam a fazer juízos errados?

De qualquer maneira, as próximas eleições autárquicas no concelho de Ourém não vão ser o que se previa que fossem. Cabe aos políticos locais esclarecer, devidamente, os seus concidadãos sobre toda a verdade dos factos passados e projetos para o futuro e cabe aos eleitores pensar e avaliar cada uma das candidaturas e decidir de acordo com o que acharem melhor para a sua terra.

 

O.C.



publicado por ouremreal às 11:38
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Julho de 2017
O ultimato

Uff, foi por pouco! Quando ouvi o sr deputado do psd, Hugo Soares, dar o ultimato ao governo para apresentar a lista das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande em 24 horas, receei o pior!

Primeiro, porque o 1.º ministro António Costa não iria apresentar lista nenhuma pela simples razão de que não lhe competia fazê-lo.

Segundo, porque o ar ameaçador do sr deputado fazia crer que a coisa era séria e, vinda de quem vinha…o desfecho podia ser “gravíssimo”.

Pelo sim, pelo não, fui para o abrigo subterrâneo, levei comigo a minha fifi, uma cadela que tem medo dos foguetes, e só de lá saí quando vi a lista publicada pela PGR. Nesta coisa de ameaças o melhor é levar tudo a sério, não vá o diabo tecê-las! (O presidente Trump ainda não se convenceu que um dia destes o sr Kim Jong Un lhe dá cabo do Hawai…mas…se bem calha, quando acordar já é tarde…!).

Voltando ao ultimato. Felizmente houve bom senso e evitou-se uma “catástrofe” de consequências imprevisíveis. A PGR divulgou a lista que, por sinal, e para desgosto de algumas pessoas, tinha os mesmos nomes que já eram conhecidos – 64 – podendo esse número ser alterado, como também já se sabia, depois de concluídos os processos referentes a dois casos. A tal empresária que resolveu fazer pesquisa por conta própria (há quem diga que foi por conta de mais alguém) afinal também falhou nos seus objetivos! Há, até, quem lhe sugira que o melhor que faz é ir cuidar da sua empresa que, ao que se diz, tem alguns problemas para resolver!

Ao que parece, foi por água abaixo, a teoria da lista secreta do governo para ocultar propósitos obscuros, (vá lá saber-se quais!) e o tema do momento ficou um pouco arrefecido, o que não significa esquecido, porque o sr deputado, seus pares e afins logo discorrem outro qualquer para entreter as hostes e dar assunto à sua comunicação social, aos comentadores, opinadores e por aí adiante.

Entretanto…

Com a divulgação da lista, ou sem ela, a infelicidade das pessoas não se alterou. As suas carências não foram resolvidas, os problemas continuam para quem perdeu familiares, as casas, as culturas, os haveres. Esta é que é a questão sobre a qual vale a pena falar! É urgente passar à ação! Ações concretas! Que se vejam! Deixem-se de conversas da treta! TODOS!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 00:11
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 12 de Julho de 2017
O diabo
O dr. Costa não parece ser muito dado a essas coisas de…diabos! Daí o não ter dado muita importância às previsões do dr. Coelho que, em jeito de ameaça, lhe foi dizendo que as políticas que o governo estava a implementar eram desastrosas e que, por via delas, vinha aí o diabo. Afinal, enganaram-se ambos! Um mais que o outro!
As políticas deste governo não conduziram ao desastre que o dr. Coelho prognosticava, antes pelo contrário. O diabo não veio pelas portas por onde ele desejaria que ele entrasse, casos da economia, finanças, défice, educação, saúde, emprego, segurança social, enfim, as chamadas portas principais e, perante tamanha frustração, logo se desencadeou uma ação conjunta e orquestrada com toda a direita a tentar abrir tudo o que é porta dos fundos, portas de emergência, ou mesmo janelas e postigos, por onde o tal diabo pudesse entrar, com a comunicação social amiga a fazer eco de tudo o que é preciso ser dito, porque a liberdade de expressão e o dever de informação a isso obrigam.
E para que o diabo venha, nada melhor que uma desgraça, ou duas; se forem três, ou mais, ainda melhor! E, infelizmente, elas aconteceram! A maior de todas, Pedrógão Grande! Não há palavras para a qualificar! Como se previa, a direita levantou bem alto as suas bandeiras e culpou, claro está, o governo pelos acontecimentos. A dr.ª Cristas já pediu, mais de cem vezes, a demissão da ministra da administração interna que, digo eu, devia ter estado no sítio certo, à hora certa, (e não esteve) com um balde de água para apagar a primeira chama. Parece que anda tudo surdo, porque a ministra ainda continua a sê-lo!
Depois foi a história, que parece muito mal contada, do assalto aos paióis de Tancos. Um buraco na rede da vedação que ainda não vi, porque as televisões mostram, vezes sem conta, uma vedação e imagens que não têm nada a ver com paióis. Câmaras de vigilância avariadas há 5 anos, segurança privada, falta de guardas, sentinelas, ou o que lhe queiram chamar, que ninguém perceberá. Armamento roubado (há quem diga outras coisas) que, põe em causa a segurança interna e a da Europa (pelo menos) segundo a direita; afinal, sabe-se agora, seria material que, na sua maioria, estava selecionado para abate. E havia material muito mais importante que não foi levado. Não se percebe muito bem isto! A dr.ª Cristas já está a ficar afónica de tanto pedir a demissão do ministro da defesa. Ela não o diz, mas eu calculo que o ministro se deixou dormir, quando estava a fazer o seu quarto de sentinela e…pronto! Foi o bastante para o assalto! Assim, tem que ser culpado! No meu tempo de militar levava, pelo menos, dez dias de detenção e ia para o olho da rua! Que era para aprender! Mas continua tudo surdo! O ministro ainda não saiu!
Como se tudo isto não bastasse…há secretários de estado que foram à bola, há um ano, e de borla, porque a Galp lhes pagou o bilhete. Deviam saber que há uns que podem andar à borla e que há outros que não podem! É o caso deles! O pior de tudo é que resolveram, agora, pedir a demissão dos cargos! Quando a direita estava bem calada, não pedia essas demissões, provavelmente, por causa da velha história dos telhados de vidro…! Ou, então, aguardava por melhor oportunidade! Talvez mais próximo das eleições autárquicas…! Pronto! Mais gritaria! Desde quando é que secretários de estado têm o atrevimento de pedir a demissão sem que a direita a tenha reivindicado? Também não se percebe muito bem o motivo que leva o Ministério Público a tratar deste assunto só agora …! Mas, pronto, talvez se venha a perceber…!
Para terminar:
O dr. Costa tem que se convencer que o diabo existe. E se não quer que ele entre tem que manter portas e janelas, as frestas todas, bem fechadas, de dia e de noite, 24 em 24 horas, porque o tal diabo tem carradas de amigos disponíveis e a esforçarem-se para o ajudar a entrar ao mais pequeno descuido! E se for preciso recorrer ao arrombamento…também dão um jeitinho! Convém escolher bem as sentinelas…! Não se fie só na vigilância eletrónica e nas novas tecnologias! Olhe que os apagões estão na moda! Nunca fiar…! Se 10 MM de euros marcharam, porque os computadores tiveram uma diarreia e perderam muito tempo na casa de banho, mais fácil é o diabo entrar por uma fresta qualquer!
O dr. Coelho e a dr.ª Cristas, há falta de melhor, escolheram o diabo como aliado. É uma estratégia como outra qualquer, mas reveladora de falta de capacidade imaginativa, competência política e de verdadeira vontade de contribuir para a resolução dos muitos problemas que o País tem. E não esqueçam que o diabo é interesseiro! Cobra caro pelos serviços prestados! Mais tarde ou mais cedo vão tê-lo à perna!

O.C.


publicado por ouremreal às 14:47
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 20 de Junho de 2017
Os incêndios

Na sequência da tragédia que no último sábado se abateu sobre a região do centro interior do nosso País, concelhos de Pedrógão Grande e Castanheira de Pera, tenho ouvido, visto e lido coisas, tantas coisas, algumas inimagináveis, que me levam a pensar que, das duas, uma: ou há pessoas tão mal formadas, ou mal informadas, ou mal intencionadas como nunca imaginei, ou, se assim não for, serei eu o mais ignorante de todos!

Não falo em técnicos disto e daquilo, em peritos desta ou daquela área, que sempre aparecem, porque esses terão alguma base de conhecimento para sustentar o que dizem. Se, nuns casos, as suas teorias podem estar desajustadas das realidades (que nem sempre conhecem suficientemente bem) e que, se fossem aplicadas, não produziriam os efeitos que julgariam obter, noutros, o seu saber, as suas opiniões, sejam favoráveis ou não ao que está em vigor, serão sempre de ter em conta.

Não vale a pena falar mais, em alguns órgãos da comunicação social que, ao que parece, aproveitam a desgraça alheia para fazer render o negócio. Por exemplo, é chocante, é duplamente chocante, ver uma repórter de um canal de televisão a fazer um direto junto aos restos de um automóvel completamente queimado, ou junto ao corpo carbonizado de uma senhora, ainda no chão. Isto é o quê? Sou levado a crer que se pretendeu criar um sentimento de choque, de indignação nos espectadores propiciador à criação de um clima onde caísse bem o repto que, de seguida, lançou à ministra da administração interna: quantas mortes é preciso haver mais para que se demita?

Falo, principalmente, dos que parece que sabem de tudo, mas que, ao fim e ao cabo, o que fazem é exprimir as suas ideologias, as suas convicções, nem sempre com um sentido crítico construtivo, mas, quase sempre, com a intenção de aproveitar as emoções do momento para atacar quem os incomoda. Fora ou dentro do contexto! Pouco importa! Dizer, por exemplo, que a culpa dos incêndios, das mortes, dos feridos, do património destruído é do governo, que a ministra da administração interna e o ministro da agricultura deviam ser demitidos, são opiniões que não consigo perceber em que se fundamentam. Como se fosse este governo, ou outro qualquer, o culpado pelas condições atmosféricas capazes de desencadear catástrofes desta natureza! Que se diga que o ordenamento do território nacional e obviamente, da nossa floresta é, mais ou menos caótico…não andará longe da realidade! Mas teremos, sempre, para sermos justos, que perguntar: Desde quando? Por culpa de quem? E como se resolve? E esta última pergunta será, em meu entender, a de resposta mais difícil! Porque aqui cabem aspetos tão complicados como o ordenamento, a prevenção e o combate aos incêndios!

Depois, como vai acontecendo de vez em quando, a velha questão de ser a Força Aérea a combater os incêndios como se esta solução estivesse isenta de custos e, assim, se evitassem gastos de milhões com a contratação de meios aéreos externos. Certamente que quem defende esta solução terá feito as contas, coisa que eu não sei fazer, embora admita que se possa economizar! Não sabendo isso, sei, ou julgo saber, duas coisas: 1 - A Força Aérea tem pessoal competente para desempenhar essa função; 2 – A Força Aérea não tem aeronaves adequadas nem orçamento para essa função. Façam-se as contas e decida-se o que for melhor! Mas acabe-se com o mito de que com a Força Aérea se acaba com os milhões gastos a combater incêndios!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 00:11
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 16 de Junho de 2017
Cristiano e o fisco espanhol

Leio na imprensa que Cristiano Ronaldo está a ser acusado pelo fisco espanhol de fraude fiscal no valor de cerca de 15 M€.
Não sei se é assim ou não, nem isso me interessa muito! É assunto que ele, certamente, resolverá! E, se tiver que pagar, pois, que pague!
O que me impressiona é a atitude do clube que ele representa – o Real Madrid – que terá contactado órgãos da imprensa espanhola no sentido de substituírem as fotos do atleta por outras em que ele não apareça com a camisola do clube:

"Mira a ver si podéis cambiar la foto de Cristiano, una en la que no apareza con la camiseta del Real Madrid"

Não terão chegado a dizê-lo, mas não me surpreenderia que tivessem pensado que ficaria muito melhor com a camisola da seleção portuguesa…!

…Nem bom vento, nem bom casamento, nem porcaria nenhuma! Cambada…!

 

O.C.



publicado por ouremreal às 21:32
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

Santana - o exemplar

Terrorismo

Autárquicas 2017 - result...

Autárquicas 2017

Os incêndios e os donativ...

Eleições autárquicas

O ultimato

O diabo

Os incêndios

Cristiano e o fisco espan...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds